quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Carência

Eu sonho com ele, os olhos, a boca, o cheiro.
Mas nunca o vi!
Durante o dia eu fico com saudade dos finais de semana, das brincadeiras.
Que ainda não vivi.
A noite, fica tudo sem graça, sem expectação, sem desejo.
Que ainda não o tive.
Quando o celular toca é o nome dele que eu quero que esteja ali.
Que ainda não existe.
Quando eu atendo, quero ouvir o apelido que só ele me chama.
Que ainda não ouvi.

Só queria saber quem é ele...

Não seria mais fácil esperar, mas seria mais confortável saber que você está aí.

Penélope Pren.

Abrigo

O seu jeito marrento.
A forma como você se veste.
O sorriso que carrega em seu rosto.
Seu estilo que não parece nada com o meu, mas que mexe comigo em todos os sentidos.
Tento não sentir, me esconder, quem sabe até desaparecer.
Minha mão fica suada e minha fala travada.
São muitas vontades...
Algo que não será fácil de guardar.
Mas que com sete chaves não irei contar.
Não sei o que anda acontecendo comigo... Mas o seu "bom dia" virou meu abrigo.

Íris Prieto.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Às vezes...

Às vezes eu sinto falta de ter alguém tomando conta de mim.
Sinto falta de receber telefonemas diários de alguém especial me perguntando como estou e como foi o meu dia.
De alguém que escute os meus problemas e realmente se interesse por eles.
De alguém que prepare um jantar e esteja me esperando quando eu chegar do trabalho, cansada e estressada.
De alguém que me dê bom dia ao acordar e que me leve café na cama.
De alguém que me leve ao cinema e depois ao motel.
De alguém que me surpreenda com mimos e agrados.
De alguém que comemore comigo uma data que só é importante pra nós dois.

Às vezes sinto falta de ser exclusiva de alguém, mas só às vezes.

Aí o telefone toca e eu já estou de partida pra mais uma noite que promete ser boa.
E essa falta... Falta?! Simplesmente se perde de mim, quando eu dobro a esquina.

Felícia.

O desabafo

Acordei hoje precisando desabafar.
Estou me perguntando como irei contar para o meu pai que estou esperando um filho.
Nossa, eu sempre fui paparicada por ele, sempre! Minha mãe faleceu quando eu tinha 5 anos e ele nunca teve coragem de colocar niguém no "lugar" dela. Sempre fui exclusiva, ou pelo menos sempre achei que fosse.
O que ele vai dizer quando eu sentar e falar: "- Pai, estou grávida"?
Não sei se ele vai infartar ou pular de alegria. Acho que a primeira opção é a mais provável.
Aposto que ele vai pensar: "E agora, mais um para EU sustentar?", mesmo não sendo verdade.
Ok, eu sei que eu não ganho lá essas coisas como secretária, mas com certeza, terei dinheiro para sustentar meu filho. Mas o problema maior é que meu pai NUNCA foi com a cara do Vini. Sempre falou que olhava pra ele e o achava com cara de marginal. Legal pai, você vai ser avô de um marginalzinho.
Chega até a ser engraçado, na verdade eu fico rindo o tempo todo pra não chorar. Estou realmente preocupada com a reação dele. Sinceramente, não sei como vou iniciar o assunto.
Vou deitar e amanhã penso direitinho nas palavras, tudo bem que eu tenho certeza que vou esquecer tudo... Mas o que vale é a intenção.

Anita Menotti.

Anita é amiga Dellas e escreve com co-participação.

Não saia daqui!

O jeito que você me olha.
O jeito que me agrada sem saber.
O jeito que eu te admiro me faz feliz.
Não suma, nem pense em desistir.
Se pular deste barco ficarei sem rumo.
Não inove, não melhore, nem piore.
E não saia daqui.

Íris Prieto.

Como é bom namorar terminando... O ó!

Termine com seu namorado 85 vezes por ano e veja que ele será um eterno fardo.
Eu posso te dizer, não vai dar certo! Sua mãe, ou até o coelhinho da páscoa pode passar a existir, apenas para te dizer que não vai dar certo.
Você não vai acreditar. Você vai precisar passar por 85 términos por motivos idiotas e diferentes. Precisará chorar, xingar, dizer "não tô nem, aí!", olhar o celular 500 vezes, chorar de novo, procurar "a boa", chorar de novo, ficar com outro, deixar ele saber, brigar de novo, terminar de novo. Ué, mas já não tinha terminado? Pois é, mas para quem gosta de terminar, termina duas vezes! É mais potente!
Maldito seja! O pior é que nunca termina de verdade e você nunca toma vergonha na cara, vai lá e volta de novo. E aí vem a novidade no orkut, facebook, ou sei lá qual rede social: "namorando", "solteira", "namorando", "solteira", "namorando"... Que tal um: "recentemente terminada prestes a voltar para terminar e novamente ficar recentemente terminada"?
O lance é: toda vez que você termina, você diz: "- Não!!! Dessa vez foi sério!", e toda vez você faz a mesma coisa, porque realmente toda vez é muito sério.
"- Dessa vez a gente não brigou, sabe? A gente conversou!". Ah, claro!!!
Mas é legal, que todo mês tem uma adrenalina!
"- Dessa vez (soluços) ele gritou comiiiiigo (soluços)!" Ah, lógico!!!
O peste termina com você e você termina com o peste por razões estúpidas como o pote de manteiga, a amiga que ele não suporta, o futebol às 2 horas da manhã!
Ahhh, perceba que desde então ele virará referência para o quê você não quer na sua vida, e de certa forma ele foi muito, mas muito produtivo!
Isso para as evoluídas que conseguiram largar o problema. Mas para as que permanecem, falta pouco, a meta são 1000 términos. E você pode entrar para o Guiness Book!
Saber o que você não quer é ótimo, elimina as pragas. Passe por isso, será incrível a experiência!

Penélope Pren.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Aquele trago...

Estamos falando do meu cigarro hoje.
Tem gente que bebe, tem gente que dorme, tem gente que rouba. Eu fumo.
Ainda não passou na minha cabeça o fato de parar, não me encha!
Esse papo de ex fumante, é um pé no saco! Conselho totalmente descartável. Cada uma para no momento em que a consciência bate a porta, já dizia minha professora de balé, que fuma (escondido) até hoje, por puro moralismo de vida saudável!
Quer saber? Depois dos 18 sua vida é a mesma, mas depois que o dinheiro que se ganha passa a ser seu, meu bem, não me controle. Se me pedir um cigarro, eu vou te dar. Não vou dizer: "Não faça isso!".
Sempre gostei do meu espaço, é lá que meus pensamentos estão escondidos. E meu espaço está super ligado ao meu cigarro hoje. Gosto dele, passou a ser um bom companheiro e quando acaba eu jogo fora. Às vezes nem uso ele todo, às vezes é um atrás de outro.
Aproveito agora enquanto ele existe. Porque ele já já vai sumir da minha vida. Eu sei.
Então, optei por isso. Não me amole.
Aliás, tem fogo?

Penélope Pren.

Todo um processo

Começam as etapas e a primeira delas é tomar um banho quente, com direito a desenho no espelho ao final de tudo.
Um creme para as minhas pernas.
Os cabelos passam por um processo de secador. Até que fique tudo do jeito que eu quero, e tudo bem seco.
Passo para etapa da lingerie, vermelha ou branca? Qual combina mais com a minha pele? Ficarei com o pretinho básico.
Roupa... A parte que me atormenta.
Vestido curto? Onde estará estampado que ao final do cinema terá sexo.
Calça Jeans? Onde aparenta que não terá sexo nenhum (mal sabe ele).
Ou um vestido de boneca? Onde não irei perder o meu ar feminino e passará no pensamento dele que para me levar para o motel terá que suar bastante.
Ficarei com o vestido de bonequinha. "Seja feminina ao ver dos outros, não importa o que faça em quatro paredes" já dizia a minha mãe.
Maquiagem nada estravagante, mas que ressalte minha boca, pois a atenção será para ela.
Tudo pronto. Ei... Volta aqui, perfume e tudo ok!
Depois de muitas mensagens no celular, ele demora bastante. E ainda dizem que mulheres demoram, eu particulamente acho rídiculo quem demora demais e fica inventando desculpinhas para ser o centro das atenções quando chega, mas voltando ao assunto...
Tudo pronto, 10, 20, 30 minutos e nada.
Passada uma hora de espera, meu celular toca, e com uma voz de quem está morrendo o grande encontro da minha noite diz: "- Amor, hoje não vai dar porque estou me sentindo meio mal!". Sim, é nessa hora que você quer xingar até o pai dele, mas a minha postura não me permite. Apenas digo que tudo bem e desejo melhoras ao seu mal que teve que aparecer justo hoje.
Apesar de te amar loucamente é nesses por menores que você perde. Depois não venha querer entender porque eu fiz isso ou aquilo. Mas a minha noite não irá terminar porque seu mal me obrigou.
Rua, ai vou eu!

Íris Prieto.

O dom de esperar

Sim, esperar é um dom.
Eu, particularmente, odeio esperar.
Odeio não ter a certeza se a pessoa vem ou não, ou então, se ela está ou não chegando.
Sou ansiosa, fico sempre criando expectativa de algo e, normalmente, me ferro!
A minha ansiedade atual é o sexo do meu filho.
Gostaria que viesse uma menina, para que eu possa enfeitar, paparicar e ser a maior amiga que ela poderia ter.
Sei que o Vini quer um menino, mas um dos dois irá se frustrar, espero, sinceramente, que nao seja eu.
Pois é, não tem jeito, tenho que esperar, afinal de contas só estou com 6 semanas e não tem como ver o sexo ainda.
Farei uma forcinha para ficar menos ansiosa, sei que será dificil demais, mas não custa nada tentar.

Anita Menotti.

Anita é amiga Dellas e escreve com co-participação.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Quer acabar com uma amizade? Faça sexo!

Na boa, sempre achei que dois adultos, amigos, podem perfeitamente fazer sexo, rir disso no dia seguinte e seguir com a vida e com a amizade.
Mas isso nem sempre é verdade. E na maioria das vezes a culpa é das mulheres (embora exista uma minoria masculina incluída nessa parcela culpada).
Mulheres são chatas, controladoras, ciumentas e carentes. E costumam confundir sexo com amor. Sexo é totalmente relacionado ao desejo. E ter um homem lhes desejando, pode fazer com que as mulheres percam a noção.
Já se perguntou: “Por que depois que eu transei com meu amigo, ele ficou estranho”? Agora já sabe o porquê! Ele deve estar pensando que você está a fim dele.
Sexo entre amigos sem prejudicar a amizade? Só quando ambos superam qualquer cobrança e não criam falsas expectativas. Não se ache a namorada do cara só porque vocês transaram. Ele, por exemplo, não tem obrigação de te ligar no dia seguinte.
Se você consegue realizar esta proeza de não confundir ares com bugares. Vá em frente!
Mas saiba que também é muito difícil achar um cara maduro o suficiente para saber que você só quer unir o útil ao agradável: fazer sexo com um amigo e continuar com a amizade.
Quer arriscar? Então selecione devidamente o cara, esclareça tudo com ele e, por favor, mantenha a amizade em primeiro lugar. Se perceber que a amizade pode acabar, não insista! É muito mais válido lembrar de uma boa transa e ainda ter o amigo, do que ficar apenas com as lembranças.

Felícia Bacci.

domingo, 25 de setembro de 2011

Da porta da rua pra dentro

Como em todos os domingos, me resta eu e você.
Em mais um dia gostoso de frio, filmes e pipocas.

Mas nada como um carinho de amor sincero, me beijando e passando suas mãos em meu cabelo.
E se ontem a noite outro tenha passado, que você não tenha nem sonhado.
O seu amor é sincero, o meu também.
Posso estar com você, curtir você, te amar e mesmo assim pular pro terreno do lado de vez em quando.
Posso te fazer juras de amor em uma rede social e nos meus desejos mais escondidos ter outro na minha cama.
Sei que meu amor por você não irá morrer e que você pra mim será sempre meu príncipe. Não me importa o que acontece quando a gente sai daqui.
O que me importa é que dentro desse quarto somos só eu e você.

Íris Prieto.

Pois pense!

A gente não para pra pensar.
Isso não é obrigação, nem nada rotineiro. A gente só pensa quando não está fazendo nada e alguma coisa ao mesmo tempo. Você não vai sentar na cama e pedir para ninguém entrar porque, no caso, naquele momento você está pensando na vida. Não!
Pensamos enquanto tomamos banho, no trajeto do ônibus, na fila do banco. Pensamos enquanto aguardamos alguém chegar, quando estamos ouvindo uma música.
Pensamos e temos idéias antes de dormir.
Não atrapalhe ninguém nesses momentos de paz e confusão. Essas pessoas, o que inclui você, estão tomando decisões, estão encaixando peças, estão entendendo os fatos... Deixe-os pensar. E pense bastante.
Quantas vezes você já não disse: "Oh! Será que ele não pensa?". Às vezes ele não tem tempo...
Penso enquanto pinto as unhas, enquanto fumo meu cigarro na janela, olhando a casa dos outros.

Então, por favor, não atrapalhe! Estou pensando.

Penélope Pren.

sábado, 24 de setembro de 2011

Rapidinho

Eu estou entrando nesse jogo.
E estou pagando para entrar.
Quero só experimentar.
E depois prometo que vou voltar.
Nada vai mudar, as coisas vão continuar, nada sairá do lugar.
Eu te amando loucamente e você fingindo que não entende.

Íris Prieto.

Odeio trânsito!

Dizem que dirigir é uma boa terapia. Pra mim, nunca foi!
Principalmente de uns tempos pra cá, quando a quantidade de carros que circula pelas ruas, naquela fatídica hora do rush, aumentou exponencialmente.
Um dia desses perdi a hora. Levantei desnorteada, abri o armário, peguei a primeira roupa, tomei banho, peguei minha bolsa e saí sem nem ao menos tomar um café.
E começa o drama...
Assim que coloco a chave na iguinição e o carro liga, percebo que a gasolina está na reserva. Saio com o carro, chego no posto pra reabastecer e me deparo com uma fila gigante. Que raiva! Mas como não tem outro jeito, fico na fila.
Depois de abastecer, finalmente vou conseguir pegar meu rumo e... Trânsito!
Não, não acredito nisso! Tento ficar calma, respiro e mentalizo “É apenas um sinal vermelho!”, mas depois de 15 minutos parada no mesmo lugar me dou por vencida. Lá vou eu ficar, pelo menos uma hora e meia, presa dentro daquele carro! Penso em ligar meu CD player e lembro que ele pifou na semana passada, então abro o porta luvas e pego um livro pra ler.
Depois de 2 horas e 45 minutos, finalmente chego ao meu destino. Extremamente atrasada, com a bunda quadrada, azul de fome e com um mau humor que assusta até o mais corajoso dos homens.
Definitivamente, odeio trânsito!

Felícia Bacci.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Tudo muda em uma noite...

Dois dias antes de eu conhecer o Vini, lembro que eu estava em uma fase muito estranha...
Em uma noite, vi que não nasci para ficar sozinha.
Beijei, beijei e beijei, mas no final da noite me bateu um vazio tão grande e pensei: Onde estará aquela pessoa, AQUELA pessoa?
Será que é tão anormal sonhar com uma pessoa que te faça realmente feliz?
Ele era um cara interessante, aquele de blusa branca.
Um homem para você chamar de seu.
Eu já estava pensando longe... Aquele menino, chamou minha atenção. Não sabia nada sobre ele. Ele me disse que era o Vini.
Eu gostei tanto de estar com ele, fui mais longe e pensei: "Esse cara? Então, ele é MEU namorado, o MEU amor."
Queria poder olhar e dizer: "- Me beija e me faz esquecer..."
Mas eu o tinha acabado de conhecer.
Pois é.. Há muito tempo não me sinto assim, mas aí eu deito a cabeça no travesseiro e quando acordo esqueço de tudo. Incrível, que não esqueci daquele Vini e daquela noite. Mas é melhor esquecer e deixar do jeito que está. Ele não vai me ligar mesmo!
Vou curtir minha vida e ser feliz do jeito que dá. Fazer o quê?
O telefone tocou... "Oi, Anita! É o Vini, topa um chopp hoje?"
Sim, sou uma romântica a moda antiga e sonho com o amor da minha vida, com a minha cara metade.
Vou viver isso.
E além de ter achado o meu amor, ainda vou ter um bebê.
E continua....

Anita Menotti

Anita é amiga Dellas e escreve com co-participação.

Rotina

Queria dançar para esquecer a vontade de estar com ele, de sentir o cheiro de deixar o gosto.
É tão ruim não ter a certeza que a sexta vai chegar e estaremos juntos.
Queria beber para falar besteira, lembrar de besteiras, relembrar as histórias...
E aquelas noites de vinho, de música lenta, de abraços calmos.
Ah! Eu queria dançar com você, falar abobrinhas com você. E só fazer com você.
Eu queria acordar bem tarde e te ver do meu lado, depois de uma noite virada na praia... Esperando aquele solzão vir nos visitar.
Vamos perder o juízo, pular no mar!
A gente só repara o quanto a rotina é importante quando ela nos faz falta. É assim quando acaba a luz, a água, o microondas não funciona ou quando você vai embora...
Volta aqui, coloca o porta retrato no lugar!
Me beija a boca, fala para mim, que você estará aqui para qualquer coisa.
Preciso tanto, tanto do seu colo, do seu olhar.
Volta aqui...

Penélope Pren.

Hoje é dia...

Hoje é dia de boemia...
Dia de tomar cerveja.
Três doses de tequila, por favor!
Lápis preto nos olhos, noite quente na Zona Sul, suor no corpo.
Hoje quero um pouco de Felícia.
Hoje eu quero estravasar, dançar, o que eu quero mesmo é gritar, explodir.
Não me segure, preciso desse momento.
No final da noite, pode me esperar.
Não, meu gás não vai acabar.
Seremos sempre eu e você.
Não tenha medo, eu só vou para dançar.

Íris Prieto.

Apenas mais um contato...

Ele era só mais um entre os meus muitos contatos no celular.
Nos conhecemos em um dia tumultuado. Era uma segunda-feira e eu havia saído de uma reunião que me fizera perder o apetite, estava com a cabeça fervilhando e nem reparei que ele vinha em minha direção. Nos esbarramos, minha pasta caiu no chão e depois do pedido de desculpas, veio o convite para um café. Foi aí que eu reparei aquele detalhe dourado no quarto dedo da mão esquerda. Casado.
Não costumo me envolver com homens casados, mas ele, a princípio, parecia valer à pena.
O papo fluiu e de repente estávamos trocando os números dos nossos celulares. No dia seguinte almoçamos juntos. E juro, nem imaginava que eu seria a sobremesa. Nosso almoço foi quente. Quentíssimo! E se repetiu todos os dias da semana!
Não costumo sair com o mesmo homem várias vezes na mesma semana, mas ele, até então, parecia valer à pena.
Na sexta, durante nosso encontro, enquanto falava que não poderia me ver nos fins de semana por que estaria com ela e que eu teria que me acostumar porque ele não podia se separar, percebi que ele mexia na aliança como se ponderasse se deveria mesmo estar ali comigo.
Não costumo me apegar a nenhum homem com facilidade, menos ainda se ele for casado e ele nem valia à pena.
Uma onda de raiva misturada com um ímpeto de meter-lhe a mão na cara me invadiu e percorreu todo o meu corpo. Descer do salto? Jamais! Mas ele precisava entender que só estávamos ali porque eu lhe concedia um pedaço do meu tempo, pra satisfazer o meu prazer. E só.
Olhei para o meu anel de formatura, que eu podia trocar de dedo a hora que eu quisesse, assim como podia trocar de cama quando bem entendesse e de homem quando julgasse melhor, ao contrário dele, e disse: “- Desculpe, mas não nos veremos nos fins de semana porque eu não estou mais disponível pra você.”
Vesti minha roupa e fui embora...
Ele voltou a ser, o que nunca deixou de ser: apenas mais um contato no meu celular.

Felícia Bacci.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Mulher

Para conquistar uma mulher você não pode dá-la toda a felicidade, você deve surpreendê-la.
Uma mulher gosta da expectativa e de desejar.
Uma mulher quer ter filhos, ou já quis. Uma mulher quer comprar uma roupa nova e ser elogiada. Ele quer mais tempo se ela não tem, ela quer menos tempo se ela tem demais. Uma mulher quer ser a mais bonita. Uma mulher quer o homem dela. Ela quer ser mãe, amante, filha.
Uma mulher quer parar o trânsito, ela quer ser importante, ela quer amar, ela quer viver amando.
Uma mulher quer ter uma família unida, quer fotos de revista. Ela quer em plena terça-feira um programa diferente.
Ela quer ir ao motel com o amor da sua vida. Ela quer o amor da vida dela.
Uma mulher que entrar no sex shop e comprar tudo, ela quer memórias.
Uma mulher se sente bem quando está apaixonada, mulher gosta de planejar o futuro que nunca chega.
Uma mulher quer carinho, quer espaço, quer sexo.
Uma mulher quer aquele homem que a chame de gostosa, que a jogue na cama, que diga que ela é tudo. Ela quer que o mesmo homem diga que a ama, a abrace com carinho e lhe faça se sentir a melhor. Ela quer que ele lhe dê colo quando ela chorar.
Uma mulher quer ser reconhecida, quer ser fundamental.
Uma mulher gosta de se entregar.
Para conquistar uma mulher basta despertar nela, a vontade de querer amá-lo para sempre.

Penélope Pren.

A resposta de tudo

Pois é, não teve jeito, tive que contar para o Vini.
A reação dele foi de se esperar, olhou para mim e ficou branco, pensei até que fosse desmaiar.
Ficou olhando para o nada durante um tempo, logo em seguida me deu um abraço e disse que ficou bem assutado, mas que está pronto para ser pai, afinal de contas, já tem 27 anos e já estava na hora.
Sonha com um menino, para que possa levar para o futebol e passar todas a manhas de como pegar uma mulher, eu mereço mesmo!
Mas e eu?
Ele, em momento algum, perguntou se eu queria realmente ter essa criança, nem perguntou se eu estou preparada para ter esse tipo de responsabilidade.
Achei muito egoísta da parte dele, mas, ao mesmo tempo, achei muito fofo ele falando sobre como seria a educação e tudo mais.
Ok, minha vida começa agora!
Obrigada destino por ter sido tão cruel comigo, muito obrigada!

Anita Menotti

Anita é amiga Dellas e escreve com co-participação.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Escolha

Queria voltar ao primeiro dia.
E ter o poder da escolha.
Ali eu não sabia, mas tinha em minhas mãos o poder de te amar, ou não.
Amor pra mim é uma questão de oportunidade.
Talvez tenha me entregado demais.
E por um beijo, ter dado todos os meus sentidos em troca.
Acredito em amor à primeira vista, desde que tenha a oportunidade para continuar amando, se não, não passa de um simples affair.
Tive a oportunidade e aproveitei com tanta sede que hoje em dia não consigo imaginar nada sem você.
Será que se soubesse que eu poderia escolher, teria escolhido por dançar até o chão, com uma garrafa na mão, beijando várias bocas nas ruas da Lapa?
Acredito que nem se eu soubesse disso.
Te quero do mesmo jeito que te quis da primeira vez.

Íris Prieto.

Ataque dos brinquedos

Era tipo cena de filme, ao contrário da pedrinha na janela, recebi um torpedo no celular: "Desce aí!". Ele me atiçava mesmo!
Eu não podia acordar meus pais. Droga! Eu tinha que descer...
Silenciosamente passei pela sala, quando não mais que de repente, bati com o joelho no carrinho da minha irmã, que tinha dentro um porquinho que fazia um barulho tipo: "Shin"! Ah, claro! Por que não acendi as luzes? Olhei para os lados, a casa continuava na solidão da madrugada. Então continuei andando, foi quando aquele maldito radinho de luzes, apareceu debaixo do meu pé e começou a tocar uma musiquinha agradável dos Teletubes! Ah, claro! De novo. Cale essa boca!
O detalhe é que continuei sem acender as luzes e a cadeira da mesa da sala não estava no lugar, foi quando eu caí sentada, esmagando a Boneca da Mônica, que falava "Para Cebolinha!".
Bem, serei pega! Mas a casa continuava na tranquilidade do sono.
Estranhamente, o gostoso da faculdade continuava lá embaixo...
E quando estava tudo perdido, escutei um barulho lá fora, com a quase certeza que provavelmente era o Mickey Mouse batendo a minha porta, já que os brinquedos estavam fazendo parte da minha noite. Dei aquela espiada no olho mágico, e que mágico!
Aí já viu, né? Na volta pro meu quarto, os barulhos inocentes dos brinquedos me arruinando de novo...  Com os baraulhos frequentes daquelas mãos me arrancando a roupa do corpo e deslizando por ele.
Aquele beijo que estala e que arrepia.
Esqueci dos meus pais.
É, a adrenalina me excita.
A noite foi muito longa e de manhã cedo com a cara de sono, digo: "Tive uma insônia... Bom dia!".

Penélope Pren.

E então, o que eu faço daqui pra frente?

Garçon, por favor, um drink!
O mais doce que você tiver, mas exagera na vodka, preciso esquecer tudo que passei hoje.
Mexo na minha bolsa e encontro um cigarro velho, esquecido, amassado e sujo, mas tá valendo.
Olho para um lado, olho pro o outro e vejo um cara bem estranho que está fumando, levanto e vou até ele.
Oi, tem fogo?
O cara, com cara de bobo, me olha de cima abaixo e diz: "- Claro, mas se não tivesse, daria um jeito."
O primeiro trago foi difícil, mas me esforço e em seguida vem aquela sensação gostosa que me acontece quando não fumo há um bom tempo.
Abro o envelope que está em minha mãos e fico olhando durante horas para ver se tudo que está escrito ali irá se apagar, mas começa a passar um filme na minha cabeça e me veêm as perguntas...
O que eu faço depois dessa notícia?
Será que vou conseguir?
Será que ele vai me apoiar?
Será que devo realmente ter? É um caso a se pensar, talvez.
Pois é, não sei como vai ser daqui pra frente. Ainda acredito que estou em um pesadelo e quando eu acordar tudo vai voltar a ser como era antes.
E então, o que eu faço daqui pra frente?

Anita Menotti.

Anita é amiga Dellas e escreve com co-participação.

Domingo eu vou ao Maracanã...

Sexta à noite, o telefone toca e descubro que é você me chamando pra sair. Tenho exatamente duas horas até você chegar. Me arrumo. Desço no elevador me olhando no espelho, conferindo o look final. Entro no seu carro e vamos para um restaurante. Jantamos e conversamos. Depois do jantar eu peço um vinho e você pede uma água com gás. Estranho. E me lembro de uma amiga que sempre diz: “Não confio em quem não bebe!”. Mas já é tarde, hora de ir embora...
Sábado à noite, o telefone toca, é você querendo me ver. Você me dá uma hora. Me apronto. Desço no elevador pensando que a noite vai ser boa. Entro no seu carro e vamos para um bar. Eu peço um chopp e você pede um guaraná. Muito estranho! Começo a concordar com a minha amiga. Ih, é hora de ir embora...
Domingo à tarde, o telefone toca, então você me convida pra pegar um cinema. Recuso, pois já marquei com um grupo de amigos de ir ao Maracanã. E que tipo de homem é você que quer ir ao cinema num dia de clássico?! Sinceramente, muito mais do que homens que não bebem, eu desconfio mesmo são de homens que não gostam de futebol!
E já passou muito da hora de ir embora... Dessa vez, pra sempre!

Felícia Bacci.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Filho?!

Eu falava de exame periódico, ela me veio com um papo estranho de Beta HCG. Como assim?
Uma ginecologista desconfortavelmente sincera. Não gosto disso! Antes de me dar uma notícia dessa, me mande sentar, sorria para mim e me dê um copo de água dizendo o quanto meus cabelos estão sedosos.
Existia naqueles pedidos médicos, não a solcitação do exame, mas o medo imposto sobre o fato. Afinal, meu filho (O quê?? Meu filho?? Que isso!!!) teria um pai que corta os pelos do nariz e fatídicamente prefere peladas (e não digo mulheres) de futebol a sexo!
Não poderia ser! Já estava pensando na melhor forma de terminar aquela relação e não de arranjar uma vida pra mim, ou outra vida.
Só me faltava o Chapolin Colorado! Acalmar meus prantos atônicos.
O legal mesmo, foi que no final das contas, deu negativo! Isso foi realmente legal...
Terminei com o Zé Ninguém dos pelos do nariz, desse fardo não sofreria mais.
Mas depois que conheci o Felipe, nossa! Acho que preciso passar por esse susto com ele também....
Ele vale a pena o risco.
Moral: Acontece sempre com a vizinha, mas comigo? A-há, nunca!

Penélope Pren.

Areia só quando eu quero!

A água do mar tem o poder de me reconstruir, mesmo sem nenhuma ciência me provar que ela é capaz de me protejer do mal.
Sinto-me pronta para todas.
Mergulho na água gelada, não fico me molhando de pouco em pouco.
Me lanço, me atiro...
Prendo a respiração e todo o som se acaba.
E logo tenho que voltar, para respirar e ficar de olho na próxima onda que vai querer me levar pra areia.
Mas esse lugar eu domino.

Na areia eu só coloco o pé quando canso de tanta paz.

Íris Prieto.

A noite foi longa...

Já era tarde e eu estava sozinha em casa.
Depois de um dia estressante no trabalho, tomei um banho e com o meu laptop, me larguei bem à vontade no sofá.
Então o interfone tocou. Levantei e fui verificar quem era. Para minha surpresa, me deparei com você. Abri a porta. Você entrou, me deu um beijinho na testa e se acomodou no sofá.
Desliguei o laptop, liguei o som bem baixinho e sentei ao seu lado. Não tínhamos muito assunto e quando o mesmo de fato se acabou, começaram os carinhos inocentes. Até que você veio beijar minha boca, misturando nossos sabores e como dois animais selvagens no cio, possuímos um ao outro. Êxtase total!
Ficamos abraçados por um tempo, mas continuamos a nos explorar. Estávamos exaustos, mas você se levantou, me pegou no colo e me levou para a cama. Descansamos um pouco, porque ambos precisávamos encontrar forças para continuar, já que não tínhamos nenhuma vontade de parar...

Mas e aí, foi bom pra você? Beijomeliga.

Felícia Bacci.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Doce vingança

Foi quando ele disse: "Nunca mais faça, isso!", não respondeu, como se consentisse. Ficou muda.
Abaixou a cabeça, sorriu para as unhas, descascando o esmalte...
Pensando baixinho que quase não se ouviu.
Olhou para cima, com o rosto de pura, na boca um suave sorriso aberto... Nos olhos apáticos, ninguém saberia ver o que ela pensava.
E ainda dizem por aí que "quem cala consente", ao meu ver, quem cala planeja e quando se planeja, pode ser o bem ou o mal. Depende do ponto de vista, depende do lado da moeda.
Eu planejo. Meus olhos baixos e quase sempre serenos.
Quem fica quieto esquematiza, pensa melhor, afinal o bote precisa, sempre, do momento certo; do contrário perde-se a presa.

E você ainda vai lembrar de mim.

Penélope Pren.

Príncipe que vira sapo

Como a pessoa tem a capacidade de te amar e no outro dia acordar completamente e literalmente de ovo virado?
Sim, dormi com o príncipe e acordei com o sapo.
Não tenho culpa que o Flamengo parou na esquina e nem que o vidro do carro não sobe.
Mas depois que ele acaba com o meu dia, aí quer que o dia termine bem?
Não duvido que meus olhos irão continuar brilhando, mas que você me tira do sério.
Ahhh... Isso tira!
Boa noite, Wébeti...

Íris Prieto

Progressão alcoólica

Eu quero minha cerveja gelada e nada de copo de birosca! Eu quero aquela taça bonita.
Me dá um cigarro, porque quando eu bebo me dá vontade de fumar também... Cadê?
Deixa eu tirar esse salto, porque quando eu bebo e fumo eu fico meio aérea e gosto de ficar mais a vontade. Meu copo tá na metade... Outra cerveja!
Oi amigo, tem um cigarro pra me arranjar?
Peraí, não abaixa o som!!! Quando eu bebo, fumo e estou descalça, eu quero dançar! Pega outra para mim também, tá aqui o dinheiro! Tem cigarro a varejo ali ó...
Não, não... Deixa essa cadeira aí! Depois que eu bebo, fumo, fico descalça e danço descompassadamente, eu preciso sentar.
O quê? Abaixar o som? Tudo bem... Tudo bem... Faz o que você quiser!
Ô amigo do cigarro, onde é que tem banheiro aqui?
Nossa, esse banheiro tá rodando demais...
Que isso! Tira esse cigarro da minha frente, não gosto da fumaça! Não, não quero ajuda não... Me deixa aqui num canto...

Nossa! São 11 horas da manhã, como eu vim parar na sua casa!?

Penélope Pren.

domingo, 18 de setembro de 2011

Meu pedaço

Cobertor, filme e pipoca...
Um amor, um carinho, vários beijos.
No meu mundo você é o mocinho.Peço que não vire nunca o vilão.
Teu cheiro fica em mim, mesmo quando você sai.
No meu travesseiro, rastros seus.
Você permanece dentro de mim, mesmo quando bate a porta.
Quando nos encontramos sua pele parece que foi feita sob medida pra eu me encostar e esse frio é só mais uma desculpa para não desgrudar.
Sou sua. Sua marca está em mim, na pele, nos sonhos... Na alma.

Íris Prieto

Passando...

Diziam que ela tinha um estilo compreensivo devastador, daqueles que sempre é suportável no momento de apaziguar a situação.
Alguns mostravam uma inquietude já no final da relação, algo como se sempre quisessem mostrar as verdades, mas a grandiosidade é que a língua portuguesa não dava palavras boas o suficiente para se fazer ser compreensivo.
Era estranho; no começo os risos, gargalhas e confidências eram quase singulares... E depois de um tempo percebia-se que a mesma história se repetia quantas vezes fosse necessário... E daí ela percebeu que um personagem fecha com o livro. Ela só vivia naquela história... E sua mortalidade sentimental se esvaía.
Ela precisava de mais vida, de menos luz e câmera lenta...

Penélope.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ah, o amor...

"Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio"
Chico Buarque

Quem ama tem fome. Quem ama tem sede. Quem ama dá vexame, faz a fama e deita na cama.

É que o amor ele é mesmo assim, passa dos limites, qualquer coisinha vira coisa grande.
E é por ele que eu faria mil coisas, eu largo quase a minha vida, eu deixo tudo pra lá... Riqueza.
Pra mim, ele é pra já.

O amor não tem remédio, nem nunca terá, não tem juízo, nem nunca terá, não tem medida, nem nunca terá... E não Chico, ele não pode esperar!

Penélope.