segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

É possível descrever o amor?

Resolvi te fazer uma declaração. Mais uma, de muitas que eu já fiz.
Comecei procurando palavras para transpor em frases o que sinto por você, tentando não me repetir.
Fiquei então, imaginado seus olhos me olhando ternamente e fui lembrando aos poucos de como tudo começou, assimilando gradativamente tudo que o que nos aconteceu até agora.
Mas será que é possível descrever o amor? Amor esse, que me faz pensar em você, que me faz querer você, que me faz viver você! Amor que ilumina minhas noites, alegra minhas manhãs e que foi me conquistando assim, devagar e sempre!
Foi tudo tão avassalador e inesperado que quando dei por mim, você já tinha passado a me completar!
Seu sorriso até hoje me encanta.
Seus conselhos, seu carinho, seu zelo, tudo em você me fascina!
Talvez o amor seja como um abrigo contra a tempestade, oferecendo conforto, segurança. E com você, é assim que eu me sinto: confortada, segura.
Amar alguém é enfrentar um o oceano repleto de conflitos. E nesse mar é com você que eu quero navegar...

Felícia.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Tesão de SER mais!

Precisamos ser melhores sempre. E não falo sobre ser uma boa pessoa e fazer o bem não. Porque isso é uma obrigação de todos nós. Me refiro a sermos homens e mulheres mais interessantes, mais cultos, mais interessados. Temos que correr atrás de nossa própria qualidade de vida! E isso se resume, não a sermos ricos de conta bancária e sim ricos de gostos e conhecimento.
Conhecer Chico, Tom, João. Gostar de artes, história. Saber falar sobre política, economia. E eu não estou dizendo pra nos tornarmos experts nesses assuntos, mas apenas termos opiniões formadas sobre o que acontece no nosso mundo, país, estado, município...
Ao meu ver uma pessoa precisa se virar em qualquer ambiente, de um baile funk até uma roda com pessoas letradas.
Você não pode titubear, você não pode ficar sem jeito e passar vergonha! Isso não é permitido, não pra mim. Não em um tempo que temos a Internet tão à nosso favor.
Falta muito às pessoas essa ambição de serem um tesão não pelo comprimento da saia ou pelo tamanho do bíceps, mas pela segurança no olhar e pela sedução nas palavras!

Yasmin Bardini.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

No meu mundo não tem espaço pra você!

O tempo passa e a vida vai mudando tão lentamente que na maioria das vezes a gente nem percebe.
Eu vou vivendo o meu presente sem pressa, rindo até a barriga doer e os olhos chorarem, curtindo cada carinho, saboreando cada beijo, sentindo cada emoção de maneira única e aproveitando todas elas ao máximo!
Tenho os melhores amigos e uma família que nem sempre me compreende, mas que sempre me apóia.
Estou deixando a vida me levar pra onde ela quiser e sigo com ela acumulando histórias, amigos, amores e às vezes, até inimigos.
Atitudes, sentimentos, pensamentos, enfim, tudo está sempre em constante transformação.
Ontem, lembrar você era o suficiente para acelerar meu coração. Hoje quando te vejo, nem frio na barriga eu sinto mais...
Mas e aquele amor que eu dizia sentir? Provavelmente se perdeu no tempo, como tudo aquilo que é perecível.
Chega a ser engraçado lembrar que eu daria a minha vida por você, mas que hoje em dia nem saudade eu sinto mais.
Você me procurava quando tinha vontade e eu fui deixando isso acontecer enquanto eu quis!
Por vezes me perguntei: Como fui capaz de te amar mais do que a mim mesma? Como pude dizer que viveríamos juntos para sempre? Será que se eu tivesse insistido, ainda estaríamos juntos?
Hoje em dia, são só perguntas. E eu já não me interesso mais em saber as respostas.
Aprendi que tudo passa, às vezes demora, às vezes dói, às vezes deixa cicatrizes, mas passa. Sempre passa!
O que valorizamos hoje, amanhã pode se tornar insignificante, desprezível.
Por isso não pretendo reviver nenhum caso de amor mal resolvido e nem lamento o que deixou de acontecer. Durou enquanto tinha que durar. Foi o que era pra ter sido.
Me desculpe, mas no meu mundo atual não tem mais espaço pra você.

Felícia.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Vou ver a vida de perto...

Estava lendo um site desses que falam sobre espiritualidade e parei em um texto que falava sobre o mar... Resolvi dar atenção aquelas linhas.
Lá dizia que a água do mar te dá força, carrega as suas energias espirituais, faz com que você se sinta melhor, única. Dizia também que todo ser humano tinha que ir no mínimo uma vez por mês dar um mergulho nas águas salgadas dos litorais.
E então me dei conta que não devo entrar no mar há tempos. Deve ser por isso que sinto minhas costas tão pesadas e meu coração tão pequeno. Minhas baterias precisam ser recarregadas.
Do que adianta viver na cidade maravilhosa, se essa paisagem tão maravilhosa eu deixo passar por meses sem nem ao menos olhar?
Fico trancada em telas, elevadores, me deparo apenas com tijolos, nada que me faça sentir como se respirasse de verdade. Vou vivendo a vida alheia a tudo, deixando oportunidades passarem, escorrerem das minhas mãos.
Do que adianta dormir até as 15 horas, deixar a minha tarde se esvair e ficar presa no tédio da madrugada?
Adoro a minha madrugada, mas ela tornou-se um lugar de solidão e não de reflexão.
Você passa a se sentir inútil, começa a ver a vida indo embora e só consegue olhar o dia através das janelas que rodeiam a sua casa.
Seguindo os conselhos do tal site, vou ficar com a natureza e vou buscar novas energias. Assim ficarei mais leve...
É, amanhã eu vou à praia! Vou ver a vida de perto...

Íris Prieto.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Toda essa apatia

O mundo anda mesmo estranho, as pessoas  estão se tratando tão mal!
Mas não quero escrever aqui ou começar a falar do politicamente correto, não sou disso, não gosto!
Quero mesmo é gritar na cara da mediocridade, quero sacudir as pessoas que levantam de suas camas e vão pro seus trabalhos com ódio do mundo, que destratam as outras pessoas.
Se você não se levanta às seis da manhã pra dar o melhor de você e ser a melhor pessoa e profissional que alguém pode ser, me diga: pra que você se dá ao trabalho de se levantar, então?
Fique na cama, estirado(a), entregue à apatia e a auto-piedade. Porque você pode notar que pelo menos metade das pessoas que têm esse comportamento socialmente agressivo são aquelas pessoas que são mal amadas, que se acham desfavorecidas, desmerecidas e desvalorizadas pela sociedade. E na maioria das vezes são mesmo e não tiro a razão delas não.  A outra metade é formada daquelas pessoas mal agradecidas mesmo que não devem ter o que fazer da vida e só sabem reclamar! Enfim... O que eu discordo é essa forma de se posicionar perante a vida, pelo amor de Deus, né?
Penso e sempre pensarei assim: mesmo que eu seja entregadora de jornais, gari ou que eu tire leite de vaca, serei a melhor naquilo que eu faço. E se não é pra ser a melhor, então, é melhor que eu nem seja!
Treinar e se dispor a ser a melhor pessoa e o melhor profissional do mundo não é fácil. Aguentar todas essas pessoas mal educadas, grossas... Mas alguém disse que a vida seria fácil?

Yasmin Bardini. 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Cause impacto!

Quando as pessoas que estão acostumadas a te ver  estampando um sorriso no rosto te encontram cabisbaixa, elas se surpreendem.
Quando as pessoas que estão acostumadas a ouvir  suas palavras tão nuas e cruas recebem o seu silêncio, elas se chocam.
Quando as pessoas que estão acostumadas com atitudes que normalmente abalam as estruturas ao redor vêem você apenas olhando, analisando, virando as costas e indo embora, elas se escandalizam.
Já faz tempo que eu deixei de amargar a minha vida, enquanto adoçava a dos outros.  E que eu parei de engolir o meu orgulho pra não ferir o ego de outrem.  Parei também de passar por cima das minhas concepções só pra não bater de frente com quem pensa diferente de mim.
A vida nos faz mudar. Eu mudei. E continuo mudando a cada segundo que passa... Mas não perdi a minha essência. Aprendi a lidar com ela e a preservá-la de forma a permanecer intacta.
A menina antes tão premeditável, passou a ser imprevisível e a decidir sozinha como, quando, onde, com quem, por quem e para quem se expor.  Simplesmente passou a não corresponder ao roteiro de ninguém.
Quando você muda, seja lá o que for, você surpreende, choca e escandaliza! Em síntese: você causa impacto!
Basta você querer não ser sempre a mesma, mas sem a necessidade de se tornar outra... Equilíbre-se.

Felícia.

Me convém fingir...

Sempre existem aquelas pessoas nas quais confiamos, cuidamos, amamos, zelamos e que depois de fazermos tanto por elas, acabamos descobrindo que elas não eram exatamente nada do que pensávamos que fossem.
Quantas e quantas vezes eu já me decepcionei com "imagens" que não condiziam com a realidade? Com pessoas que se escondiam atrás de sorrisos de plástico? Foram tantas as vezes, que eu já até perdi as contas!
E depois de tanto “quebrar a cara”, finalmente aprendi a lidar com isso.
Aprendi que não devemos fazer nada esperando uma retribuição, tão pouco reconhecimento ou agradecimento, porque na maioria das vezes eles nunca vêm.
Aprendi também que todo mundo faz tudo de caso pensado e seja qual for esse pensamento, ele existe. E às vezes nem vale a pena saber qual é, por que ou para quê.
E por fim, aprendi que minhas atitudes não devem se espelhar nas atitudes que os outros têm comigo. Pois a própria vida faz perguntas e cada um responde pela sua.
Eu faço a minha parte e posso te ajudar, mas se você não faz a sua e não quer ser ajudado, aí já deixa de ser um problema meu.
Temos livre arbítrio e cada um sabe de si mesmo muito melhor do que qualquer outra pessoa que esteja a sua volta!
Estou farta de manter ao meu redor pessoas que nada me acrescentam e que só se preocupam com o próprio umbigo. O Diabo que os carregue, tanto essas pessoas, tanto seus respectivos umbigos.
Cada um sabe o que pode suportar e eu não consigo!
E o que me resta fazer é respeitar e lamentar... Eu já aprendi que existem divergentes opiniões e que devemos aprender a conviver com elas.
Cada um vê o que lhe convém e quando convêm. E no momento me convêm fingir que não estou vendo, porque eu, sinceramente, vou ficar bem melhor assim!

Felícia.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Esperando tanto...

A gente já não tinha mais assunto e todos os beijos daquela noite já haviam sido dados. O clima estava pesado e pesava nas costas dele. O peso da decisão inoportuna, o peso do medo que ele levava no peito.
Somos tão jovens e tão velhos. Estávamos esperando o melhor da vida aparecer, para saber que nosso caminho estava sendo traçado. Sem saber que estávamos mesmo era nos metendo em uma bola de neve.
E naquela noite ele não estava feliz.
E eu estava eufórica.
O errado estava para trás, eu estava confiante no meu amor.
Mas, amor? Para ele ainda tinha muita confusão em mente, duas, três, mulheres, com sentimentos diferentes..
Eu estava eufórica demais para entender tudo o que se passava na cabeça dele e para ser apenas uma mulher endeusada por ele.
O assunto acabou, o peso ficou, o beijo passou.
E eu ainda espero a liberdade de poder amá-lo...

Penélope Pren.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Vamos viver a realidade!

Às vezes me perco em meio a tantos pensamentos, tentando encontrar as respostas para problemas que aparentemente não tem solução.
Olho pela janela buscando enxergar o futuro desenhado no horizonte, mas muitas vezes acabo me deparando com o que ficou pra trás, perdido em uma época distante.
Fecho meus olhos e te vejo dizendo "O problema é que você vive no seu passado!".
Será?! Será que não é você que faz com que eu viva nele, enxergando em mim quem eu era e não quem eu me tornei?
Eu não sou hipócrita a ponto de dizer que não cometo erros. Sou errante, mas sei que os meus erros são fundamentais para que eu aprenda a maneira certa de fazer as coisas. Exatamente como uma criança que só aprende que não deve enfiar o dedo na tomada depois que leva um choque!
Se eu tiver que errar que eu cometa erros novos. E é só ai que eu costumo voltar ao passado, na tentativa de evitar que os meus erros se repitam. Ou pelo menos, a grande maioria deles!
Já você, parece que faz questão de cometer sempre os mesmos erros. E na minha concepção isso é burrice!
Ontem foi assim, parecia que eu estava assistindo a um capítulo de uma dessas telenovelas que todo mundo já sabe o final e que são reprisadas no Vale a Pena Ver de Novo.
A vida é feita de fases e a maneira de viver cada uma delas é totalmente diferente. Essa maneira muda conforme o tempo vai passando e a gente vai crescendo e amadurecendo.
Não sou mais uma criança. Eu cresci, eu mudei e minhas responsabilidades e obrigações também mudaram. Não dá pra levar a vida como se eu ainda tivesse dez anos de idade porque eu sei que não tenho e a época do faz-de-conta já acabou faz tempo...
Agora é hora de viver a realidade!

Felícia.

Não é o suficiente!

Às vezes eu erro por não fazer. Em outras, acabo errando por fazer demais. Provavelmente é a tal história do “08 ou 80”.
Qual a solução então? Ficar no 36, é claro!
Mas e quando se está no 36 e ainda assim as coisas continuam dando errado?
Deve-se ou não desistir?
Eu sempre achei que o ideal era lutar até o fim. Persistir até onde podemos aguentar.
Mas acho que já não capaz e começo a me perguntar se quero mesmo testar os meus limites.
Será que vale a pena?
Acredito sinceramente que quando começam a existir dúvidas, quando começamos a nos questionar é porque chegou a hora de levantar a bandeira branca e voltar pra casa.
E não, não ter ido até o fim não significa que não dei o melhor de mim.
Mas o meu melhor não parece ser o suficiente pra você!

Felícia.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Acalme-se, a vida é assim pra todos!

Já disse eu te amo para pessoas que eu nem lembro que existem. Já falei mal de amigas que precisei depois. Já acusei inocentemente várias pessoas. Já generalizei todas as situações aos homens e algumas mulheres.
Mas já fizeram isso tudo comigo.
E aí descobri que amor não é eu te amo, que não querer por perto não é falar mal e que generalizar é só questão de opinião.
Descobri que as melhores pessoas não são aquelas que não te enganam, mas as que você não desconfia.
Descobri que temos muita coisa a descobrir e temos pouco tempo.
Descobri que temos que trazer as pessoas para adicioná-las e para que elas nos adicionem.
Descobri o que eu não quero em mim e nem para mim.
Por isso, eu te amo, só pra quem merece. Falar mal? Nem de quem merece. Acusações são uma questão de opinião generalizada.
Vou construindo meus princípios em cima dos seus.
Lembre-se que tudo isso você ainda vai fazer ou repetir um dia.
Então acalme-se.

Penélope Pren.

Intolerância e paz.

Eu deixei o controle se esvair em raiva. Deixei todo o meu bom senso pra trás. Cansei. Cansei de entender o que ninguém fez questão de me poupar. De querer me desfazer do que me atormenta. Preferi seguir em frente, já que não pararam pra me sustentar.
Indefinido como sempre a renúncia é a parte mais difícil de se comprometer, um cabelo cortado demora pra crescer, a unha quebrada faz o restante ter que se encurtar. A minha vida sempre está dando voltas... Esse ano eu queria paz.
Eu só quero agora o normal que deixaram escapar das minhas mãos. Tentei por muito tempo ultrapassar limites incapazes, queria deixar de sentir, queria... Descobri em mim a face que eu mesma não conhecia. Não me reconheço.
A paixão irracional, nada está certo! Não me deixam dar certo. A naturalidade dos que estão de fora me surpreende. Como não se entende? Eu não posso viver nesse meio substituível. Essa não sou eu, essa é aquela que supostamente eu deveria ser. Mas não...
Nada é como eu quero, muito menos será como terceiros e quartos querem. Vida curta. Eu batalho pela minha de mãos atadas, mas seguindo e olhando pros lados.

Penélope Pren.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Chega de indecisões!

Eu passei da fase de tentar te esquecer e agora to arriscando em te ter.
Não adianta mais brigar comigo mesma e ir contra o meu coração. Assumir meus sentimentos se tornou mais honesto pra mim.
Acreditar nas minhas conquistas, não me perder em mentiras...
Sou feita de verdades que muitas vezes doem, muitas vezes irão te fazer sorrir, mas sempre serão verdades.
E não penso mais em desistir nem por um segundo.

Íris Prieto.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Exclusivamente sua!

Você é prático, direto, sem dramas e sem entrelinhas.
Não fala de sua intimidade, nem compartilha suas emoções a toa.
É seguro de si e bem humorado.
Inteligente, maldoso e crítico.
É um belo exemplar de Homem, desses com H maiúsculo mesmo.
E um elogio seu faz o mundo parar de girar.
Às vezes me faz chorar, mas não admite que mais ninguém faça isso comigo. Me abraça e é no seu abraço que eu me sinto segura, inteira.
Sempre preferi a coisa rápida e intensa. E depois, um cigarro aceso. Porém, você já gosta de toda uma cena, de horas ali, entra e sai, sobe e desce, vai e vem. E nada de cigarros. Eu sempre entro na sua, me perco nos seus beijos, carícias e abraços.
Você não era o próximo nos meus desejos mais íntimos. Às vezes é chato e irritante, mas ainda assim me desnorteia. Usa e abusa do meu bom senso.
Sempre rimos, um do outro. E juntos, de todos...
Me reinventou. E essa nova eu era feliz, não tinha dívidas na gaveta, nem remédios no armário da cozinha. Não fumava e nem bebia tanta caipirinha. E então você disse que me amava, fazendo meu coração acelerar e bater num compasso ritmado, juntinho com o seu!
E finalmente eu entendi a sensação de querer ser exclusiva de alguém. Com você eu quero escrever uma história única, sem final e muito feliz!

Felícia.

domingo, 1 de janeiro de 2012

A pessoa que mais importa!

E de repente sinto uma vontade louca de cuidar, amar e prometer que nada vai fazer mal à ela. Ela é do bem, ela merece ser protegida. Apesar de sempre ser tão forte, independente, inatingível, ela quer ser cuidada. E quem não quer? Quem?
Ela é tão linda, e não somente fisicamente ela é linda! Os olhos brilham, de esperança, de vontade de amar e viver. Ela cuida de quem ama, mas às vezes se esquece do quanto ela é boa!
Boa, bonita, sexy, linda, pura e limpa. Limpa, mesmo apesar de tudo ir contra.
Desse mundo louco que não deixa nada de pé, logo após mostrar a sua fúria incontrolável, similar a um furacão, louca e feroz! Mesmo assim, às vezes ela prefere se manter distante disso tudo, ela prefere ser um pouco autista, desligada, pateta, não porque ela é assim, mas porque ela tem que ser. Se não, se enlouquece! Se não, se passa por esse mundo, não tendo fé em nada.
E ela não quer isso! Não, isso ela não quer.
E de repente me dá uma vontade de olhar no fundo dos olhos dela e prometer que nada de ruim vai acontecer, mas se acontecer, eu não a abandonarei nunca, nunca mesmo! Dá uma vontade de abraçá-la forte, de ser tudo o que ela precisa e se eu não for, quero poder prometer que um dia eu serei. Um dia, eu serei  o porto seguro que ela tanto procura!
E aí, dou uma última olhada no espelho, passando meu batom rosa pink, sabendo mais do que nunca que eu nunca desistirei de estar com quem mais importa: eu mesma!

Yasmin Bardini.