sábado, 31 de março de 2012

Se eu sou esperta? Não, sou vítima.

Enquanto ele falava, ela mantinha um olhar distante, meio confusa, meio sem graça.
E ele mantém seu monólogo. Ele é o tipo de cara, que não liga pra meio mundo à sua frente. Acredite, você era uma vagina querendo ser comida e o pinto dele querendo comer qualquer vagina. E a sua, estava dando sopa.
E eu sei, que ela não esqueceu que a babaca aqui era apaixonada por ele, e tentava de alguma forma controlar aquele pinto. Ela sabia disso. Talvez ela não soubesse que o interesse dele fosse dar uns beijinhos na boca e partir para comilança, com um 'fique bem' de presente na porta do táxi. Maldita seja!
Cacete, você vai entender por hora, que antes de ter o rostinho de boneca precisa ter a vagina piscando pra ele te notar, opa! Você conseguiu.
Sabe? Mas ele mudou. 
A santinha fica na dela, como é típico das santinhas.
Afinal além de  frases feitas, qual é o impacto causado?
Quando alguém muda de postura com outro alguém, é porque alguma outra coisinha está acontecendo.
E falando de alguém, alguém se achou demais, quando acreditou que só por conseguir atrapalhar meu sono, iria de alguma forma atrapalhar minha vida. 
O poder é meu. O domínio é meu.
E dessa vez, lembre-se, que não farei mais nada que você não mereça, afinal tá tudo certo entre nós três. A cama é minha e é o meu nome que está carinhosamente descrito na agenda telefônica. E ele nem te liga mais. Eu sei... é.
Enquanto você não se torna o que gostaria de ser, para talvez usar uma frase de impacto pra me dar um cala boca. Faz o seguinte? Fica sentadinha, fica?

Penélope Pren.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Fideli - o quê?

Esperar fidelidade? De quem?
Mas vem cá, isso é de comer?
Nunca acreditei nela, sempre quis, mas nunca consegui. Ela sempre se insinuou pra mim, mas eu sempre soube que ela queria me enganar!
Acho mesmo depois de tudo o que vi, vivi  e senti que a única coisa que podemos esperar é lealdade de sentimento.
Não somente esperarmos, mas também percebermos que isso sim é o mais importante.
Afinal o que é beijar outro(a) ou se deitar com outro(a) quando o seu coração já tem dono?
Eu te respondo... Isso é tesão, é vontade, é sacanagem. É a gostosura da vida.
Ai, como eu gosto! Você também gosta, todos nós gostamos!
Não estou aplaudindo e nem incentivando as traições, simplesmente porque elas nem existirão se você conquistar justamente aquilo sobre o que falávamos há pouco.
Lealdade é o foco, é caráter, é comprometimento, é vontade que dê certo. Até porque a vontade de dar para outros homens e a de comer outras mulheres sempre vai existir.
Mas o que vai definir o que acontece na sequência é a importância do que você tem nas mãos.
E aí, vai querer jogar para o alto? E aí, vai querer arriscar e perder?
E ai de quem colocar a culpa na tal da carne que de fraca não tem nada! 

Yasmin Bardini.

Personalidade, facebook?

Eu tenho alguns poucos defeitos. Como por exemplo sou: preguiçosa, acomodada, dorminhoca, gulosa, teimosa, tímida, ambiciosa, ansiosa, malcriada, desconfiada e desorganizada.
Mas partindo do princípio que sou sempre a dona da razão, estou certa em manter meus defeitos. Afinal a melhor resposta pra isso é dizer: que esse é o meu jeito, essa é a minha essência.
Essa é a melhor desculpa quando não queremos assumir nossos erros brutais, nossa ignorância por falta da experiência e nossos poucos ouvidos à quem nos quer alertar.
Na vida a gente aprende, na base da porrada, que precisamos sair do nosso mundinho pequeno, expandir nossos conceitos e crescer como pessoa. É difícil tomar decisão, não perder a cabeça e manter a tal da maturidade sempre em cima do salto.
É difícil crescer e perceber que a tarde não é feita pra dormir.
Até pra isso tem a hora do destino. Pra entender que você gira em torno do mundo, não o mundo de você. Nos falta humildade. Um tapa na sua cara com seu pote de razão!
Vê se toma uma xícara de cala a boca, arrume o cabelo, desempine o nariz e seja melhor!
Mas como eu sou a dona da razão, mantenho o meu jeitinho e minha essência! Ô Facebook, lugar de fotos lindas e da galera da razão, apesar de muito subliminar, entrega muita gente! ;)

Penélope Pren.

Como homem insano, voltei.

Depois de um tempo ficando com ela, me apaixonei e quis ficar somente com ela. De acordo com o que eu sempre pensei, mulher realmente é estranha. Nada nunca está bom. Mas essa é diferente em tudo.
Ela domina a situação, ela é dona da verdade. Ela fala demais. Ela é linda. Eu não posso deixar de senti-la, de querê-la por perto.
Ela me maltrata quando apenas com uma brincadeira ela gera uma crise, quando ela sai de casa com suas amigas e não controla suas bebedeiras.  E sai por aí, fazendo o que seu impulso acha certo. Sem se preocupar com a ressaca moral do dia seguinte. Ela não pensa no que eu sinto e como me destrói. E não pensa em como eu quero amá-la mais e mais a cada dia que passa.
O que eu deveria fazer era simples, eu sabia. Mas apesar de simples, era muito doloroso. E eu não conseguia.
Até que fiquei cansado de tentar achar respostas. Ela me traiu, seus lábios lindos e dengosos, beijaram outra boca senão a minha, me senti tão mal, tão ninguém...
E como em qualquer outra história, brigamos, discutimos, falei tudo, me senti melhor. Fui embora e ela como errada veio atrás, pediu perdão, me beijou com os olhos lacrimejando. E eu como homem insano, voltei.
Amo essa mulher, essa menina. Mas não sei mais o que posso fazer para que ela entenda que eu poderia ser dela sem prazo de validade.
Ela só precisa querer.

História de um leitor.

segunda-feira, 26 de março de 2012

A resposta da esposa:

Roberta, depois de 10 anos com o Gustavo, me descobri mulher. Beijei, perdi minha virgindade, fiquei grávida, perdi. Meu pai faleceu e ele? Estava lá. Sempre esteve. Amei e o respeitei com um homem incrível, ainda amo.
Há dois anos brigamos, nos separamos, voltamos e vivo em uma ilusão desiludida e mágica. Choro sim, pois quero de volta minha história, meu namorado, meu marido, minha vida e minha casa que não tenho mais. É tudo muito vazio, apesar dos sorrisos estarem sempre presentes.
Toda noite, eu tenho os meus "nunca me deixe", que ele me diz antes de dormir. Em todo programa de família ele está, mas nós, não somos mais como éramos.
Eu preciso da sua paixão para o meu amor não morrer. Eu preciso dele feliz, dele sorrindo. Mas não posso mentir que fico menor e maior quando você aparece.
Roberta, por mais que esse erro seja dele, quem vai pagar essa conta somos nós. Quem vai perder somos nós, quem vai sentir a ausência somos nós.
E o Gustavo? É quase nada sem nós.
Me sinto poderosa por ele não poder viver sem mim e talvez sem mim você não existiria. Nós somos a essência. E como boas mulheres traídas, façamos jus ao nosso poder.
Grata,
Carolina.

Íris Prieto.

A carta da amante:

Boa noite, tenho certeza que você não esperava ler esse desabafo, principalmente de mim. Espero que entenda, afinal, não quero nos submeter a uma disputa deprimente de casos sem soluções.
Sei que seu nome é Carolina e faço de você agora uma amiga, por nenhuma das minhas terem maior interesse em me ajudar, do que você.
Falo do nosso relacionamento estranho. Angústias e desculpas...
Há mais ou menos um ano, conheci um homem muito interessante, pelo qual me apaixonei. Ele me dá o que uma mulher quer, o novo, as surpresas, as declarações, o sexo bom, os elogios. Com o tempo e com as flores recebidas, percebi que já pertencia a ele.
Mas como mulher preciso de mais amor, mais rotina, mais cumplicidade, mais momentos. Ou então, nada que venha dele, continuo a busca da minha tampa, nos horizontes do acaso...
Carolina, te escrevo porque o homem que me proporciona isso é o Gustavo. Seu marido.
Desculpe cuspir tudo, mas já estava me sentindo culpada demais invadindo o seu espaço que ele julga ser tão meu.
Desculpa pelas lágrimas e pela insistência em precisar me desfazer de tal desamor.
Realmente, com carinho.
Roberta.

Penélope Pren.

terça-feira, 20 de março de 2012

Um show, uma banda e dois extremos.

O show tem que continuar.
O ritmo continua o mesmo, a dança é embalada pela banda que toca o som que bem entende.
Essa banda me desconcentra, me alucina, me embaralha.
De tanto tentar dançar a música tocada me enrolei no meio da pista e cai, consegui levantar sozinha e poucos viram o machucado que fez.
Me recuperei, como eu disse, o show tem que continuar.
Dancei sozinha, com calma, afinal o machucado ainda estava doendo. E aos poucos a banda me fez esquecer qualquer tipo de dor. E sem pensar em como essa dor poderia acordar no dia seguinte, deixei o som da banda me levar.
Dancei uma vez, dancei duas e estou dançando até agora.
E agora não sei mais qual o ritmo que eu gosto, o ritmo que eu quero.
Depois que cai dancei devagar e com muita calma um Jazz que me fez sentir única, querida e não me proporcionou medo.
E por sua vez aquela banda de Rock não sai da minha cabeça, me enlouquece e me desfaz.
Mas eu não preciso escolher entre os dois extremos para conseguir colocar minha cabeça no travesseiro.
Não tenho por obrigação ter um tipo de música preferida.
Posso curtir um Jazz e de vez em quando pular a cerca com o Rock.
Não necessariamente preciso decidir alguma coisa agora.
Vamos ver o que meus ouvidos e meu corpo precisam. A resposta vem com o tempo e tempo foi o que nunca faltou.
Então em matéria de show, banda e dois extremos eu fico com a parte do show, pois ele me entende, ele tem que continuar e não pode parar agora.

Íris Prieto

domingo, 18 de março de 2012

Santinhas do pau oco

Não é crua a minha insatisfação com a falta de união feminina.
As mulheres reclamam dos homens o tempo inteiro. Que são frios, são acomodados, são mulherengos. São porra nenhuma. Nós somos!
A santinha é a que abre as rédeas, pros casados, pros solteiros, basta ser homem para ser um alvo.
Amanhã essa mesma santinha reclama, da piranha (porque nesse caso assim se torna) da mulher que está com o namoradinho dela. Sem vestígios nenhum de hipócrita. Com o tamanho da hipocrisia que leva com seus falsos princípios.
Se você não pensa em se unir ao seu grupo de origem, não cobre dos coitados dos homens a sensatez de serem fiéis. Mulheres assim, até que se prove o contrário, são grandes cachorras dissimuladas.

Penélope Pren.

Aqui se faz, aqui se paga!

Você me provoca e nem faz ideia do quanto isso pode te custar.
Tantas foram as vezes em que lhe disse: "Cuidado! Perco a noção dos limites quando sou tirada do sério.".
Mas você insiste em me testar.
"Um peso, duas medidas.". Grande verdade! Na minha balança ou é 08 ou é 80.
Engoli o sapo e dormi com o grilo. Mas acordei com a brisa do vento acariciando meu rosto e com o sol me chamando para dar a volta por cima.
Aqui se faz, aqui se paga. E eu faço questão de te cobrar. Então lá vou eu, toda trabalhada no meu desejo de vingança.
Os altruístas que me desculpem, mas eu nunca tive vocação para Madre Tereza de Calcutá.

Felícia.

Deixando escapar

Às vezes fico pensando em como deve ser difícil ser tão fechada (o).
Não conseguir pôr em palavras o que se passa no coração ansioso ou na mente agitada!
Querer gritar, tentar se fazer entender e simplesmente não conseguir.
Se engasgar na própria intensidade e na vergonha de se expor.
Há pessoas que simplesmente não dividem. Não se abrem. Querem, mas não conseguem. E não falo das que são assim por personalidade. E sim daquelas que querem ser diferentes e não conseguem.
Imagine, tentar falar com alguém sobre algo que te incomoda em uma relação e não conseguir.
Ou no meio de uma briga, na qual a pessoa grita pra quem quiser ouvir, que você não a ama ou não se importa com ela e você não conseguir desmentí-la não por essa ser a verdade, mas por você tentar abrir a boca e nada sair lá de dentro. De dentro do coração que ama tanto e simplesmente não consegue se fazer sentir.
Essas pessoas parecem indiferentes à você e aos seus sentimentos, mas elas não são. E  você, entenda também!  
Elas sentem tanto quanto você.  Se não, até mais.
Existem pessoas que além de não saberem lidar com sentimentos, também não sabem expressá-los de uma forma clara!
É difícil nesse mundo de hoje sabermos distinguir as pessoas que não se importam das que não sabem se importar. Mas acho que quando você se vir em uma situação dessas vai saber e ver de uma forma clara a diferença.
E como fazer pra mudar?
E como fazer pra não deixar pessoas importantes irem embora sem deixá-las conscientes da importância que elas tem?
Até aonde é imaturidade, timidez, orgulho?
Ainda não sei a resposta pra essas perguntas mas espero e torço pra que você não perca ninguém na vida por ser fechado(a). E espero também que ninguém te perca e te deixe escapar. Espero mesmo! 

Yasmin Bardini. 

sábado, 17 de março de 2012

Vantagens em engordar.

Você pode perceber que uma mulher esta engordando, quando ela começa a abusar dos peitos. O peito cresce numa imensidão incrivelmente rápida, quando estamos falando de estar acima do peso.
Digo pelos meus, que absurdamente meu sutiã fica apertado! Na semana seguinte, meu manequim aumenta um número!
Começa a usar decotes e usar roupas que o deixem a mostra, já que nesse momento ele está existindo mais do que antes. Peitos, eles fazem o favor de te acusar! Tá mais gordinha... Diria sua vó!
O lado bom, é que peitos grandes, são bons peitos!
Se a gordura dos Big Macs fossem centralizar apenas nos meus peitos, eu os comeria todos os dias...
Mas se o peito cresce, a barriga engorda, a celulite aparece e as neuras, também!

Desfoco a atenção do resto, e mostro o peito! Sucesso garantido!
Mulher de peito.. Mas ops, corta aquela foto! 

Penélope Pren.

Mentiras e mentiras

Você se meteu em uma encrenca aos dez anos de idade, quebrou a taça de cristal do casamento da sua mãe e de seu pai. Taça que tem o dobro da sua idade.
Então vamos por etapas: Primeiro, se certificar que ninguém escutou o tal barulho para que possa colocar a mesma no seu lugar de origem toda remendada achando que ninguém irá ver.
Segundo, sair o mais rápido possível do cômodo para que não seja a suspeita.
Passando apenas 20 minutos de tal tragédia, sua mãe descobre o que aconteceu e lhe pergunta, você mexeu aqui?
Ai passa um filme na sua cabeça e com sua melhor cara você diz que não, argumenta alegando que nem sabia da existência de tal objeto ali.
Pois é, muitas vezes sua mãe deixou a mentira passar despercebida para que não se acabasse com um dia, duas horas, dois minutos.
A mentira é um fato, eu mentia com três anos, dez anos, quinze anos...
E ainda minto, mas há momentos que me colocando no lugar de minha mãe, consigo entender o porquê dessa indiferença dispensada a tais mentiras... E acabei fechando os olhos para esses estresses desnecessários. Afinal, não adianta remendar a taça, não adianta de nada juntar os cacos, não adianta berrar e nem brigar.
Sua mentira pertence apenas a você e somente a você. E você é quem sempre dormirá com o peso na consciência de não conseguir seguir por um caminho limpo.
Eu menti aos três anos pelo puxão de cabelo que dei na minha prima, aos dez por uma taça, aos quinze pela minha virgindade e depois descobri que a mentira é a melhor solução para continuar quebrando várias taças de valor que possam vir a passar na sua vida, sem se pagar o preço pelas suas decisões.
Cabe a você julgar e escapar por vinte minutos até que os cacos apareçam remendados ou conviver com a verdade. Talvez aquela taça não seja tão importante para a sua mãe. Nem o puxão de cabelo na prima tenha sido tão forte ou a virgindade poderia ter sido perdida com outro alguém.
Mas isso nós só descobriremos se soubermos ser verdadeiros com nossos princípios, com as nossas vontades, sobre as nossas atitudes...

Íris Prieto

quinta-feira, 15 de março de 2012

Mundos

Julgamos sem querer julgar.
Agimos errado sem querer agir.
Desrespeitamos sem querer desrespeitar.
Culpamos a situação ou a ocasião...
É muito mais fácil e cômodo!
Punir quem me falar a verdade? Chamar de grosso(a)?
JAMAIS!
Punamos quem não tem coragem para ser verdadeiro.
E depois de tanto errarmos, postemos no Facebook o nosso imenso coração e a nossa conduta exemplar! 
E vamos ver quantas curtidas, quantos compartilhamentos e quantos comentários legais, nós conseguimos.
Mundo virtual, mundinho engraçado esse!
Mas não menos mundo do que qualquer outro mundo...
Inclusive, o real! 

Yasmin Bardini.

Falando em clichê...

Vamos falar do clichê? Possibilidades: "Minha vida já virou novela, de tanta gente que acompanha.". Já reparou que tem gente que se da ibope e precisa disso? Acho engraçado esse nível da galera que acha realmente que o outro lado, o que lê ou ouve, nesse momento não está rindo da cara do ser que manda uma deixa dessa.
Ou então: "Me odeia? Entra na fila!". Vem cá, qual a grande vantagem de ter pessoas te odiando, meu bem? Alouu, você deveria mudar suas atitudes, não se orgulhar disso! Você não ganharia o BBB. Jesus!
Tem também uma que eu adoro: "Sua inveja é o meu sucesso!". Caramba, aposto que você usa um cordão de pimenta e olho grego, tentando inventar uma forma de fingir acreditar em uma proteção, de um pecado que supostamente você não gosta! Quem não sente inveja nem sabe que ela existe.
Além do: "A minha educação depende da sua". É algo tão mais tão idiota, que eu nunca ouvi ditado pior, desta forma, de fato, você se torna um ser influenciável em suas atitudes.
Ah, e faz um favor, "Liga para minha preocupação, e veja se ela atende!". Tanto atende, que você, inclusive, está pedindo atenção para que assim seja.
Só para finalizar, e essa é boa: "Seja quem você é!". Ôôô, cacete, e quem mais eu seria?!

Penélope Pren.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Comprando calcinhas, o mundo fica muito melhor!

Adorooooo!!! Adoro mesmo comprar calcinhas.
Outro dia, eu estava de TPM e ela estava massacrando o meu frágil ser!
Que de frágil não tem nada, ou tem tudo, sei lá... Posso ser tantas!
Mas o fato é que estava totalmente instável, sensível e tudo o mais que a bendita TPM pode proporcionar para nós!
Foi aí que uma amiga chegou vendendo calcinhas, uma menor do que a outra, do jeitinho que eu gosto. Comprei cinco. E desde então isso me fez sentir tão mais próxima de todos os meus futuros amores, de todas as possibilidades que hoje são minhas e as que algum dia serão!
As calcinhas sempre me fizeram sentir melhor, mais forte, mais gostosa!
Então, aí vai uma dica, mulherada: Façam como o Popeye, procure algo que te deixe forte e sempre que estiver se sentindo fraco(a) e sem energia, lance mão dele!
E nos dias que não nascerem tão ensolarados, não hesite: Se lambuze com o seu ESPINAFRE, sem medo de ser feliz!

Yasmin Bardini.

terça-feira, 13 de março de 2012

Traição divina masculina.

Eu olhei ela ali de bobeira e pensei, vou dar um chega pra cá e ver como ela vai reagir. De tempos em tempos assuntos inoportunos surgiam para que se abrisse um leque de flerte entre nós dois.
Papinhos para todos os lados.
Eu sempre fui aquele homem que gosta muito de mulher. Tenho a minha. Mas gosto de bunda, peitos salientes, calcinha marcando e sutiã sem bojo, acho que é esse o nome.
Gosto de colecionar mulheres, gosto de tê-las na minha cama, por mero prazer do gozo. Adoro enfeitar minha lista com beldades femininas de inúmeras espécies, as loiras, as gordas, as morenas, as intelectuais. Todas elas. Quero o poder do território, quero-as perto do meu corpo, com um adeus de despedida.
Até que surge, alguém que com algum sacrifício, você se depara apaixonado.
O meu instinto e minha vontade em mulher não muda, por conta dela. Mas não quero que ela me dê adeus.
Quero amá-la, paparicá-la, brincar com ela. Quero fazê-la feliz.
E o que faço com isso que sinto, essa vontade entranhada de estar com todas as outras, a minha diversão masculina. A minha listinha de genitais.
Faço e desfaço, e minha distração se torna um pesadelo quando descoberto. O que fazer para convencer uma mulher a permanecer junto ao seu amor, sem nostalgia dos erros cometidos?
Acredito na crença do respeito, tenho que amadurecer meu pinto, para que outras mulheres, senão a minha, não o façam acordar. Porque eu não posso perder a minha Princesa, nunca mais.

Por Leandro Viveiro, para Churumellas.

E depois da tempestade vem a calmaria.

E depois de todas as discussões que se sucederam nos dias passados, o telefone toca e com aquela voz de sempre, que te convence, ele te diz: "Fica comigo pra sempre?!". E você fica.
Em um dia de semana normal depois de uma tarde agitada, escolhe sua roupa, separa os brincos, escolhe a lingerie e vai se preparar para mais uma noite de longas conversas e demasiadas declarações.
Vamos mulher! Tome aquele banho, coloque o perfume preferido dele, fale as palavras certas e lembre-o que ele não vive sem você.
Afinal, quem vai acordá-lo para trabalhar naquele dia chuvoso?
Quem vai comprar o requeijão que ele gosta?
Quem vai ser a menina, que ele olha com ar de Bela?
Quem vai ser a Bonita? Que ele chama todas as noites, deitada no seu peito e dizendo "Durma bem, durma comigo, estava com saudade.", pesar de estar ali com ele todos os dias?
Apresse-se, o amor disse que já está chegando...

Penélope Pren.

Mulher, seja mais!

Não, na próxima vida eu virei como homem! E deixarei que ele seja minha mulher...
Entrarei nos conflitos sociais e na guerra dos sexos, e ele como minha mulher terá a obrigação de me entender!
O fascínio por mulheres sem classe. Por falsas moralistas e pouco sentimentais, ou sentimentais demais.
Detesto a hipocrisia machista que nós mulheres engolimos e coagimos para que assim seja.
Mas gosto do pensamento masculino mais simples, é claro que há aqueles homens estranhos que são a mulherzinha da relação, que terminam por tudo, fofocam a sua vida, te controlam por pura insegurança. A certeza que a mulher será só dele. Esse tipo de cara sabe que pode perder a qualquer momento e que é muito pouco pra ela.
Mas em geral, homens são práticos, gostam de ser cuidados, amam o poder da omissão e o utilizam de forma magistral.
Mas minhas caras e divinas mulheres, nenhum deles tem o poder de persuadir, manipular e calcular como uma mulher tem! Utilize da sua sabedoria, seja mais e aí sim, você vai entender que coração é terra onde todos pisam, mas essa ousadia poucas tem.
Aproveite a esperteza feminina, seja mais!

Penélope Pren.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Câncer

Segundo definição do INCA é “um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas”.
De acordo com minha definição: é uma doença desgraçada que corroí por dentro, é uma traça que se alimenta dos nossos órgãos, nossos tecidos, nossa vida. Não é contagiosa, não pega no ar e não pega no sexo, simplesmente nasce no nosso organismo. Cresce, desenvolve e MATA!
Especula-se que pode ser hereditário, especula-se que pode ser “criado” por nós mesmo, através de pensamentos e sentimentos ruins acumulados no coração. Fala-se muito da busca pela cura, a cura espiritual, a cura por medicamentos, tratamentos. Alguns, de fato, encontram a cura, outros encontram DEUS!
Muitos se entregam, alguns se conformam, poucos lutam e se agarram a um fio de esperança, mesmo que seja frágil e ilusório. Os poucos que acreditam que conseguirão encontrar a cura agarram-se na vida, lutando por ela e querendo ter mais tempo, mesmo que esse tempo seja sofrido.
Câncer não tem idade, não tem sexo, cultura, raça ou opinião. Câncer não perdoa se você é criança ou idoso. O câncer pode ser rápido ou lento, pode dar sinais ou pode crescer sem avisar, e quando estiver grande o suficiente para tomar conta do seu corpo, já será tarde para enfrentá-lo!
Não tenho câncer, mas sinto forte no peito a dor de quem enfrenta, não com a mesma intensidade, porque só quem vive, sabe de verdade que dor é essa. Mas sofro a tristeza de ver quem amo partir, lentamente, sofrendo por sentir que a vida, que poderia ser longa, está no fim.
Choro a dor da perda, não só a perda de uma pessoa querida, mas choro pela impotência de não poder mudar o destino, pela incapacidade de agir e como um passe de mágica, mudar o que está escrito. Sofro por saber que é lento e porque é inevitável.
A vida é frágil demais para deixar de sentir os sentimentos, para evitar as emoções, a vida é curta demais para sufocar o que a garganta quer gritar. A vida é uma caixa de surpresa e tudo que tiramos dela precisa ser saboreado, precisa ser apreciado.
Não dá para esperar o tempo passar, não dá para esperar o melhor momento para falar o que você quer falar, não dá tempo de deixar para amanhã, não tem cabimento aceitar submissamente que o destino te leve para qualquer caminho. Você precisa escolher. Você precisa fazer, faça agora, escolha agora, decida agora! Aí sim, amanhã você avalia se fez certo ou errado, se foi errado, corrija, dê meia volta, tome outro rumo, faça novas escolhas. Mas, não espere que aconteça sozinho. Aja, reaja, vá enfrente, arrisque e faça a sua vida acontecer!
Não permita que um “câncer” te paralise ou te oprima e te imponha condições. Faça você o que precisa ser feito pela sua vida!

Por Renata, para Churumellas.

Mais difícil do que dizer NÃO.

E aconteceu comigo algo que nunca achei que aconteceria.
Fui menos. Menos forte, menos determinada, menos eu.
Abri mão de mim porque assim achei que um outro alguém fosse me descobrir. Fosse ver em mim TUDO o que eu posso ser.
Ser pra ele, por ele e por nós.
Mas como evidentemente aconteceu, ele não me viu.
Eu estava lá. Eu queria ser tudo e ele queria que eu fosse apenas o sexo, o suor, as sacanagens ao pé do ouvido.
Ele me queria pra tudo menos pro que eu ME QUERIA pra ele .
Me queria como mulher. E eu fui tudo. Todo o sexo que eu pude, todo o descaso que eu consegui, toda casualidade que o meu coração deixou.
Até que a hora chegou, a hora que meu coração já murcho e meio desgostoso decidiu parar.
Decidiu, por bem, que eu sou MAIS e MELHOR do que jamais ele veria se prestasse atenção em mim.
E então o adeus foi dito e dessa vez pra valer!
Uma das coisas mais difíceis. Até mais difícil do que dizer NÃO pra ele.

Yasmin Bardini.

Valorizando o que interessa

Eu não serei a pessoa que fará festa sem motivo ou que vai puxar o saco de ninguém.
Nem espere isso de mim pois perderá seu tempo!
Mas serei uma das poucas pessoas que estarão ao seu lado quando você mais precisar.
Eu serei o ombro no qual você vai chorar.
Então comece a cobrar das pessoas não o superficial e comece a valorizar nelas o que realmente é importante.


Yasmin Bardini.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Hoje serei mulamba!

E depois de todas as formas de amar, aprendi que só se ama igual. Tentei outras iguarias, fracassadas. A gente se apega, se deseja, se enlouquece, e cai... A gente é diferente.
Depois de tantas mulheres que naquela cama passaram, e que eu por minha vez tentei superar em vão, não alteraram o fato que a pessoa que faz uma vez, faz tantas e sempre. O difícil é confiar de novo, não perdoar. O perdão está mais do lado do egoísmo do que se pode imaginar.
A ordem da desordem é o caos! Vivamos o que se pede.
Depois de entender demais o lado de lá, percebi que deixei passar na minha frente, minhas vontades correndo, contra maré, de mim.
Sã consciência que não faço o que deveria. Não amo como se ama.
Não sou tão boa, não sou.
Cansei de ser psicóloga de burrice. Cansei de me desentender com meus princípios.
Minha frieza, minhas artimanhas e minha essência, estão tão lá dentro, que eu nem vejo mais...
Bom dia, para você sortudo, que desatou a despertá-las.
Prepare-se.
Cansei do salto e da classe.
Hoje eu serei mulamba.

Penélope Pren.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Tem gente...

Tem gente que não sabe ter intimidade.
Tem gente que não sabe se deixar levar pelas possibilidades.
Tem gente que quer tanto voar, mas tem medo de tirar os pés do chão.
Tem gente tão diferente da gente. Tem gente tão igual.
Tem gente que deixa rolar. Tem gente que não sai do lugar.

Yasmin Bardini.

Pesadelo

Sim, é como se ainda estivesse perdida naqueles passos largos que foram dados.
É como se o novo fosse sem graça e como se o livre fosse chato.
Ainda me pego em pensamentos, interrogações que não me pertencem.
Ainda procuro o erro em mim.
Será que fiz algo tão ruim que não seria digna de respeito?
Será que meu sorriso foi tão bonito em algumas tardes que depois me tornei digna de choros sem consolo?
Será que sou tão enjoada que quem estava mais perto de mim quisesse distância ao ponto de não sofrer a minha ausência?
E sumir do dia pra noite como se tivessem passado meses da nossa história?
Será que ser legal e dar espaço as pessoas seria uma forma de deixar o caminho aberto?
ACORDA, Cinderela!!! Estamos falando de realidade, você veio pra viver? E como seria viver sem sofrer?
Sofra calada a perda de uma realidade que nunca existiu.

Íris Prieto.