quinta-feira, 31 de maio de 2012

Em qual parte do caminho você se perdeu?

Quais razões nós temos de correr tanto com a vida? Talvez seja medo de ouvir o barulho que a solidão faz, quando se põe a cabeça para pensar. E por isso mesmo somos seres atarefados demais para entender as razões que fazemos tudo o que fazemos. Mas sempre teremos desculpas para não ver o sol se por na tardinha e justificativas para estarmos cansados para o que o mundo nos oferece com tanta naturalidade.
Então, vamos deixar passar... Nossos amores, nossos sorrisos, nossas mentes insanas, cheia de disse me diz, que pouco se concretiza. Que vantagem pouco saudável se agrupar em uma sociedade tão doente, tão cheia de cobiça, que com os direcionamentos educacionais, culturais ou quiçá paternos, nos fazem caminhar pelos mesmos passos, doentes, fracos e comuns.
Diga, para mim, em qual parte do caminho você perdeu seus princípios para dar lugar à malícia social? Passou a ter olhares tortos, confiando e espionando, para ter a certeza que a integridade de suas relações (em geral) estivesse a salvo?
Será que o medo de se entregar, está diretamente ligado, ao saber que um dia tudo isso pode ir embora? E o que seria se entregar? Deixar o corpo e a alma em uníssono? Seria.
Não vou deixar de sorrir só porque posso vir a chorar algum dia. E chorarei, porque preciso.
Preciso de um pouco de escuro para valorizar o claro que faz meus olhos brilharem... 

Penélope Pren.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Um encontro...

Você me liga e diz que daqui a pouco estará no lugar combinado.
Nem chego perto de uma paixão, mas as malditas borboletas tomam conta do meu estomago, esôfago, intestino, fico ali sentada. Como de costume cheguei antes foi a minha maldita carona que foi rápida por demais.
E fico olhando a água da chuva cair e junto com a água caem milhares de neuras femininas. 
"Será que estou gorda?"
"Será que meu batom saiu?"
"Eu passei desodorante?"
"Esse vestido não está curto demais?"
"Puta que pariu! Minha unha descascou e agora?"
Então tenho a brilhante ideia de ir ao banheiro para retocar o batom e tentar matar todas aquelas borboletas ouriçadas dentro de mim.
Quando a estrela da noite aparece com um sorriso encantador.
E ai vem a pior parte, nessa hora você se pergunta por que você tem duas mãos, é, pois em nenhum momento sabe onde colocar uma, que dirá duas. 
O chopp é zero grau, mas a minha cabeça está com um pouco mais de cinquenta e cinco graus.
O lugar é menos admirado por mim, mas para o primeiro encontro, finjo estar amando.
Começa então o jogo no telão e imagine só o jogo é do Vasco, o maior vice (tem fama, agora deita na cama) e ele se empolga. Nessa hora me permito a fazer a primeira pergunta da noite: Você é vascaíno? E ele responde com todo orgulho que um vascaíno não deveria ter: Claro, pô! 
Calma ai... Claro, pô?! Vem cá, eu por um acaso estou com cara de que quero aturar vice traumatizado? Minha cota de psicologia acabou no último casinho escroto que cismei em ter com um vascaíno recalcado. Eu, hein... Não me lembro de ter colocado na fichinha de primeiro encontro “ser vascaíno” como pré-requisito. Ah porra!
Mas enfim continuei com o chopp zero grau, a unha descascada e o jogo do Vasco, não pude ser agressiva, apenas aquelas apostinhas clássicas e bestas que eu ganhei, é claro, mais uma eliminação do Vasco, mais um ponto para as meninas, mais um beijo para ficar na memória, mais mensagens no celular, e mais, mais, mais...
Recomendo: Marque encontros! Pessoas são interessantes, mesmo sendo vascaínas. Pessoas formam histórias! Beijos com som alto e muita bebedeira são só beijos sem sentido. 
Chega de pegação!
Pegue e se apegue.
É só um começo de grandes histórias.

Íris Prieto.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Se pular a cerca, eu detono!


Poucas coisas nesse mundo são constantes e definitivamente nós, mulheres, não somos uma delas. Eu, inclusive.
Posso ser a mulher de maior classe que você já pensou em conhecer e posso também ser a mais descompensada de todo o universo.
Basta apenas um olhar desviado, um meio sorriso ensaiado, um mero flerte acidental com aquele rabo de saia que cruzou o nosso caminho e em fração de segundos essa descompostura toma posse de mim.
Não admito, nem por um segundo, ser excluída da sua vida ou dos seus pensamentos. Me dói, de uma forma lancinante, saber que você pode se perder no primeiro par de pernas bem delineadas que desfilar ante seus olhos. Então vivo na intenção de evitar que isso aconteça. Cuido bem de perto do que é "meu".
Sou calma, compreensiva, educada e capaz de tudo para satisfazer todas as suas vontades, mas basta um pequeno deslize seu, ou apenas a intenção de cometê-lo, para que eu esqueça qualquer noção de boas maneiras e transpasse facilmente a minha passividade tão inata. E aí, meu bem, eu já não respondo mais pelos meus atos.
E não me venha depois com desculpas sinceras entrelaçadas nas melhores justificativas, pois elas nunca soarão plausíveis aos meus ouvidos. Não espere de mim o perdão, porque ele não virá. Eu não conseguiria conviver com a ideia das suas mãos passeando por outro corpo que não seja o meu, com sua a boca beijando outra boca que não seja a minha, com a sua virilidade fazendo jus a outra que não seja eu.
Já dizia Alcione: "Não divido você com ninguém, não nasci pra viver num harém, não me deixe saber ou será bem melhor pra você, me esquecer..." e é disso que eu tô falando.

Felícia.

Signo: Ninguém "acredita", mas todo mundo lê.


Arianos escandalosos, taurinos confiáveis, geminianos preguiçosos, sagitarianos malandros,  cancerianos emotivos...
E assim por diante. Cada signo, um traço mais marcante de personalidade.
Signo, o signo é determinado pelo dia e ano do nosso nascimento .
Engraçado pensar que essa combinação de dias, anos, horas e histórias vai determinar a personalidade ou parte, de uma massa de pessoas, né?
Meu signo é o melhor de todos, e não, não matarei essa sua curiosidade, mas o meu ascendente é virgem!
Ascendente? Ascendente é o signo que possui as suas características mais internas que com o tempo, podem ou não irem se acentuando em você!
SEMPRE, desde que me entendo por gente, tive experiências chatas e desgastantes com pessoas  desse signo.
As descrições de cada signo não são feitas para desenharem a personalidade de seus nativos e sim pra descrevê-los em sua generalidade.
Conheço uma aquariana que deveria ser fria, mas só finge que é.
E quem nunca esbarrou com um capricorniano que deveria ser teimoso mas é o cara mais cuca-fresca da praça? Ou aquele escorpiano que era pra ser vingativo e no entanto é um coração mole!
Enfim, como tudo na vida tem suas exceções...  O Zodíaco não poderia ser diferente!
Concordo e acredito, não na veracidade de todas as afirmações, mas em boa parte delas, sim!
E você, já leu seu horóscopo hoje?

Yasmin Bardini.

sábado, 26 de maio de 2012

Pijama ou salto?


Sábado a noite, oi!? Quem diria que a menina da balada estaria em casa, meio descabelada, com aquele pijama de frio, procurando séries de TV, um filme interessante, vendo o Jô ou de frente com Gabi. 
Bocejando sem parar, sem vontade de dormir, com algumas dores no corpo, coisas da idade.
Ela anda pela casa, pega um copo d'água, volta pro quarto, entra e sai do Facebook, vê algumas coisas em alguns sites, vai pra sala, se esparrama no sofá. Vai na cozinha, beliscas algumas coisas, volta pro quarto e já compôs seu enredo de sábado.
Não só porque ela está sem dinheiro, não lhe agrada as companhias restantes das nights ou porque a disposição diminuiu. A diferença é que aquela menina que topava tudo e vivia rindo ou chorando, cresceu. E agora, ela guarda mais seus fortes impactos, seleciona mais suas andanças, se diverte mais em sua própria companhia. Aquela menina descobriu em si mesma, a fonte máxima de prazer: o de se fazer bem. E descobriu que ela não pode dar ré, se for para voltar atrás ela faz o contorno, que dessa forma ela continua de frente, com olho vivo.
A mulher de hoje, crescida, um pouco maldosa, um pouco ingênua. Está sempre em busca de ser melhor, guardando suas lamentações, dividindo fotos e sorrisos, e mais do que tudo, buscando seu caminho sem esperar a hora que a vida lhe bata a porta, convidando-a para sair. Ela não precisa de convites, já que a festa está dentro dela.
A mulher de hoje está em casa vendo CSI ou Dr. House. Amanhã ela estará vestida em um salto 15 vermelho, colecionando olhares. 
A mulher de hoje é ela, sou eu e pode ser você.

Penélope Pren.

A vida te engole.


Talvez eu esteja realmente em outro mundo.
Vejo que tristeza é uma coisa que dá e passa, assim como a felicidade; hoje você tem certeza do que você quer, amanhã já não tem tanta certeza.
Hoje seus amigos são uns, amanhã serão outros.
Obviamente pessoas normais não trocam de amigos como trocam de roupa. Sempre existe aquela amiga que não sai de moda e cai bem em todas as ocasiões e tem também aquele grupo enorme que jurou amizade eterna e só "sobreviveram" uns três.
A vida muda? Não! Você que muda.
Ou você acha que me afastei do grande amor da minha vida porque a vida fez isso?
NÃO!!! Eu sou responsável por qualquer mudança. Caso contrário, continuo na mesma, celebrando vitórias já celebradas e sofrendo perdas com prazo de validade vencido.
Ahhh!
Quer mudanças? MUDE.
Quer sorrisos? SORRIA.
Quer lamentações? LAMENTE.
Nada mais irritante do que sentar em um bar sexta à noite para escutar lamentações e repare só, chega um momento em que as lamentações são tão grandes que as mulheres parecem estar em uma disputa de quem está mais na merda. 
O mundo aqui, lindo e belo sorrindo pra você enquanto tem seus vinte e poucos anos, e você só sabe responder: Calma ai, tô esperando meu humor melhorar, tô esperando o sol abrir, esperando a hora certa.
Faça nada e não terá resultado, pois a vida não espera o seu momento, ela tem pressa e a responsabilidade de viver ou não é somente sua. 

Íris Prieto.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

10 maneiras de enlouquecer um homem!


Então, está pensando em algo diferente? Inusitado? Mas não sabe bem como agradar? Bem, depois de falar com alguns da espécie masculina consegui uns truques, vem comigo:


1- Mande uma foto sua nua, com um beijo selado de batom vermelho. Coloque o número do seu celular (mesmo que ele já tenha), ou escreva uma mensagem delícia, sem ser vulgar, estimulando o sensual. Faça um joguinho e o clima vai ficar quente.

2- Na garagem, na varanda, no quintal, quando ele menos esperar, mostre-o todo o seu apetite. Solte a periguete que há dentro de você. Corra o risco de serem pegos... No duro!

3- Que tal começar a conversar sensualmente no restaurante, numa festa, na fila do teatro? Vai deixá-lo desconcertado, além de louco para os finalmentes!

4- Strip-tease nunca sai de moda. Compre aquela lingerie, abuse da roupa. Deixe os cabelos bem cheirosos. Ponha para tocar uma boa música sensual e arrase com o brinquedo.

5- Fale durante o sexo, nada de diminutivos. Use palavras sujas, ou mostre o quanto está gostoso determinado movimento, gema no ouvido dele, ou alto se preferir. Mostre que você está aproveitando muito, todo ele.

6- Tenha iniciativa. Beije-o, morda-o, arranhe-o, de leve claro (a não ser que ele goste do babado).

7- Troque a cama pelo chão, sofá, poltronas, máquina de lavar! Se mostre, não seja acanhada.

8- Se enfeite, se emboneque, tenha atitude, abuse do carão. Seja sensual, e se for de agrado do casal, abuse das fantasias. Mude sua postura, seja safada.

9- Provoque com o olhar, lamba os lábios, use perfume, seduza com a ponta das unhas, descabele-o, mordisque, chupe os dedos dele, olhe-o nos olhos. Fuja dele.

10- Saiba das fantasias sexuais do seu amor, seu homem, seu peguete. Tente realizá-las. Além de ficar com todo o poder de sedução, ficará para sempre na lembrança, hum?


Além disso, outra forma mais simples de enlouquecer um homem de verdade é a seguinte:

Diga que sua menstruação atrasou, saia de perto dele quando atender ao telefone, abuse de saias muito curtas e fique bêbada em festas ou eventos sociais, diga que o ama 80 vezes por dia, que é louca por ele, ligue muitas vezes durante o dia, mesmo que você só tenha ficado com ele uma vez, ou nunca, contradiga-o na frente dos amigos e por fim seja loucamente ciumenta e crie uma DR (discussão de relação) pelo menos 2 vezes por semana.


Enlouquecedor, não?


Penélope Pren.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

A beleza de ser MAIS.


Eu não sou uns quilos a mais. Eu não sou os seios pequenos.
Assim como eu não sou uma bunda e um corpo bem torneados. Ou um cabelo esvoaçante.
Não são  esses detalhes que me fazem ganhar o mundo. E nem me exaltam aos olhos alheios.
Você é muito mais do que isso! Você é o que diz. Você é o que faz. Suas atitudes te dimensionam aos olhos dos  que te acompanham. Você é a visão de mundo que você tem. É tudo que quiser ser.
O problema é que as pessoas não andam muito ambiciosas e se conformam em serem apenas corpos, cabelos e insinuações vazias e insustentáveis de uma sensualidade forçada.
E digo forçada, porque meu bem, para ser sexy não é preciso tentar ser. Ou você é assim ou não. O ser sexy está no SER. No exalar da segurança que você passa. Na certeza do que você é. Isso não se compra, não se pega emprestado. Isso é seu, é valioso e ninguém tira!
Você é incomparável. Você é você, doçura. Você é única.
Muita gente esquecendo por aí, mas eu sempre digo e vale a pena relembrar: É mais importante ser FODA do que ser bonita.
Beleza é importante, mas ser sexy, apetitosa e interessante é ser mil vezes mais gostosa.

Yasmin Bardini.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Cada um no seu quadrado.



Você esta andando na rua e vê um casal esquisito. Isso mesmo, bem esquisito. Não porque a mulher é notoriamente mais alta que o homem, nem por suas roupas, mas sim pela idade. Aquela menina deve ter no máximo 23 anos e aquele senhor tem no mínimo os seus 55. Nossa, eles parecem se amar... Ele desfila com aquela carne fresca e ela desfila com as frescuras que a conta bancária do tal senhor pode lhe proporcionar. Não julgo o amor de todas as idades, desde que seja amor, o mínimo de bom senso é bem vindo, ou você realmente acha que uma menina no auge de sua juventude gosta mesmo de desfilar na praia com um senhor mais velho que seu pai? E ainda existem aquelas pessoas que falam: Nossa eles nasceram um pro outro, formam um casal lindo. Não, não mesmo! Só se for casal de pai e filha... Ah eu, hein! Recomendo usar a combinação até para formar casais, ou você acha que uma menina é extremamente madura para dar tudo que um cinquentão merece? Ou que um cinquentão dará a jovem uma vida digna da sua idade? E porque não falar das cinquentonas? Que se envolvem com meninos de 20 anos... Nossa, você viveu a sua vida inteira para chegar no alto e quando chega quer se misturar com um garoto? Realmente você deve sentir saudade da adolescência o que te deixa um pouco fútil. Não tente entender a cabeça desses garotões de 20 e poucos anos, nem nós que vivemos na mesma era deles conseguimos quem dirá você que já passou há bastante tempo dessa época.
Sem exageros, por favor! Nem mais, nem menos, apenas o ideal.
Não sejamos tão abrangentes e vamos viver “cada um no seu quadrado”.

Íris Prieto.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

De louca eu não tenho nada!



Eu acho que nossa “fama” começa com o uso excessivo de nossas tão estimada imaginação. Somos uma espécie de “Shakespeares” montando em nossas mentes peças teatrais mirabolantes com ou sem a ajuda das diversas situações pelas quais passamos.
Tudo começa com uma daquelas clássicas perguntas, como “Ta tudo bem?” e o que vem a seguir é uma sucessão de gritos e uma histeria descomunal com todas as minhas razões.
O seu chefe te pergunta se você pode fazer um trabalho externo e você logo pensa que “Ele quer me demitir!”, seu namorado fala “oi” para uma amiga na rua e você deduz “Ele já comeu ela!”, sua amiga diz que não quer sair hoje e você acha “Minha companhia não está mais agradável!”, a barata está no seu caminho e você já imagina que a bichinha está coadunando com as outras para te atacar.
A verdade é que a imaginação feminina é criativa e sensível. Em todo caso, o meu inconsciente sempre esta coberto das minhas certezas. E não me chame de maluca! Por que sempre que eu faço uns comentários desses, vem um para me chamar de doida? Eu hein, loucos são vocês que não veem as mais óbvias coisas expostas e explícitas.
Não adianta me falar que não é nada disso, apesar de tentar me controlar minhas imaginações vão sempre tender para a parte ruim do que pode acontecer e me perguntando “O que está acontecendo?” você é bem capaz de conseguir a grande verdade de uma louca histérica que no final das contas sempre tem razão.
Afinal aquela frase conhecida “Eu te avisei!” vem sempre acompanhada de salto alto, saia e esmalte.

Íris Prieto, Felicia Bacci, Penélope Pren e Yasmin Bardini.


Tema sugerido por Victor de Souza.

domingo, 20 de maio de 2012

Se enfeite e enfeite.


Hoje acordei muito bem. Tão bem e leve que faltou somente sair voando pela janela seguindo e admirando o canto da vida...
Nossa, que paz maravilhosa! Paz que passei anos procurando em lugares errados! A achei dentro de mim.
Não vejo mais o que eu não quero. Não imagino mais o que não quero!
Nunca pensei que pudesse ser tão bom pra mim. 
E se eu soubesse, já o tinha feito antes. Já tinha me desfeito de laços que nunca foram laços, nunca me enfeitaram e, consequentemente, viraram nós. 
Que me apertavam, me prendiam, me privavam de ver a estrada longa e bonita que todos nós temos.
Por mais que por um lado tenhamos que lidar com a confusão, os olhos enxergam melhor.
E enxergando melhor, o coração sente melhor, sem dúvidas! Estou feliz, estou bem e vou ficar melhor ainda...
“Se conselho fosse bom, tu vendia” já dizia aquela música.
Mas lá vai: Desate os nós que puder e se enfeite com todos os laços que conseguir.
E faça com eles um arranjo bem bonito, o arranjo que a gente chama de vida.
Saiba quem merece o seu esforço e quem não merece.
Quem faz por você e quem não faz. 
Seja mais você, seja melhor do que a maioria e tenha a certeza que a vida há de ser bonita mesmo com os momentos de feiura que ela tem.

Yasmin Bardini.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Hoje tem, hein! E amanhã também!



Dar a volta por cima, você mulher, pensa em que? Inevitavelmente como boas sentimentais, pensamos em homens. Um "bem" essencial a uma vida repleta de cores ou preta e branca...
Pois bem, ele me fodeu! No mal sentido mesmo. Me destroçou, me fez em pedaços, me fez tê-lo como a última lembrança ao encostar a cuca no travesseiro e meu primeiro contratempo ao acordar. 
O que? O que eu fiz?
Sofri, igual gente grande, chorei sozinha, lembrei com raiva o tempo perdido, me permiti sair demais, conheci muita gente nova, beijei outras bocas, me permitir fazer parte de outras histórias e acrescentar mais fervor as minhas histórias, tão minhas.
Até porque é bem mais fácil superar um cafajeste quando se tem um rosto lindo, amigos com conteúdo e disposição. Que nessa terra, nunca falta.
Mas, na boa, o grande segredo de sair bem de uma historinha sem final feliz é ir se adequando a sua realidade e vivê-la das formas mais intensas que puder.
Você é a melhor para você mesma. Mas nunca será boa o suficiente aos outros. E nem os outros a você. Vida.
Conquiste seu poder, eu consegui passar a perna no destino cruel e achar meus próprios acasos.
E agora, não procuro o novo, não. Me permito mesmo a viver com o que tem pra hoje, que é mais doce do que o amargo de ontem.
Viva. Viva o gosto de dar a volta por cima, e terão muitos querendo viver no alto com você.
Viva, o dois mil e doce com todos os dois mil e foda-ses necessários para que o sorriso se mantenha estampado no rosto.
E aí, o que tem pra hoje?

Penélope Pren e Íris Prieto.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Casal abacaxi: um finge que engana, a outra que acredita!

Tem homem que gosta mesmo de ser um "nhenhenhe", tem mulher que gosta de acreditar em "nehenhenhe". Como diria uma amiga minha: pobres medíocres.
Não é necessário se preocupar com vingança. Não é necessário desejar a tais pessoas o mal. Não é necessário pensar em fazê-los cair do cavalo branco, que de branco e mágico, nada tem.
Com a lei do retorno, o mundo dá voltas, e de voltas em voltas, pessoas caem. Posso ser, e já fui, em outras situações, uma dessas que caiu.
E tem gente caindo agora e horrorosamente eu me delicio ao ver esses tipinhos decadentes, de sentimentos chulos, pequenos, efêmeros.
E eu te digo mais, com um leão do meu lado, me dá a certeza que você não dorme com a paz da certeza, que por sua inflexibilidade, te faz tão, mas tão bem.
Com a vaidade nos olhos, se sente bem ao estar no centro das atenções, mas não espera a verdade, só mostra sua pobre vaidade pros olhos de quem vê, se contenta ao perceber, que declarar tal felicidade (super espontânea), supera o amor fraco e ríspido que mantém em falso cativeiro.
Com a arrogância na boca, se gaba dos mais medianos sentimentos, se põe a prova de si mesma com esse pouco valor do que te restou.
Seu orgulho se faz esquecido.
Sua presunção é quase uma característica desprezada. Só se faz notar, com suas pouco favorecidas palavras de amor. Amor? AMOR!
Seu egocentrismo se faz cada vez mais forte para afetar. Se coloca no pódio de primeiro lugar, acreditando de fato estar levando um grande prêmio. Sua batalha, enfim, foi vencida por ti. Isso só, já te satisfaz.
É feliz ganhando, não amando ou talvez não sendo amada, não confiando, não sendo a melhor mulher.
É feliz ao ver lágrimas farsadas.
Acredita nessas malditas histórias de gibi, tão cheias de merda, que fedem!
Bebê, leva de presente essa bosta, porque nesse assunto, você é PHD.
É o momento que você pensa naquela peça CÔMICA de teatro, quando Joseph Klimber batia na testa e dizia: "Supletivo! Supletivo! Supletivo!"
Ah é! Já entendi o desfecho do troféu! 

Penélope Pren.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Sorriso oportunista.

Sempre tem um que te abraça com sorrisos, te suga até a última gota, se torna a melhor companhia.
Você pode até demorar para perceber que tal sujeito só está ali por perto por interesse ou dinheiro, mas uma hora sua ficha cai e cai seguida de revolta.
Para saber se tem um por perto é fácil: normalmente ele te usa, abusa e te descarta.
Sem devolver uma gota que você lhe doou.
Essa raça não tem mãe, que dirá consideração.
Fazem tudo de caso pensado.
Os oportunistas vivem com seu grupo de “melhores amigos” sendo trocados frequentemente, mas no final das contas, vivem sozinhos.
Eles sofrem, mas o sabor de sair por cima, nem que seja por um período pequeno, os satisfazem, então para que se preocupar com os otários que serão facilmente descartados?
"Só faço com você o que você permite e não adianta se esquivar da minha raça, estou em todo lugar." 

Íris Prieto.

Quem por orgulho fere, por orgulho será ferido.


Basta procurar no dicionário a palavra "orgulho" e você encontrará uma definição similar a esta: "Elevado conceito que alguém faz de si próprio. Amor-próprio exagerado. Brio. Altivez, soberba. Ufania.".
Na vida, apesar dos seus tantos significados, o orgulho normalmente se mostra de duas maneiras: aquele orgulho de sermos quem somos, pelo nosso caráter, ou por algo que conquistamos com o nosso próprio esforço. Ou então aquele orgulho que não nos permite baixar a cabeça em determinadas situações, de não assumirmos nossa incompetência para algumas coisas, de não sermos capazes de aceitar que nem sempre temos razão e que vez por outra, devemos perdoar ou pedir perdão.
Quem nunca deixou o orgulho falar mais alto e se arrependeu depois? Quem nunca se deparou com uma pessoa tão orgulhosa que apesar de estar nitidamente errada não consegue admitir o erro, por querer se sentir sempre superior?
E é justamente aí que mora o problema!
A grande dificuldade da maioria dos orgulhosos é saber identificar onde termina um orgulho "benigno" e começa um "maligno". E nem sempre é fácil perceber que o orgulho deve ser deixado de lado.
Orgulho por orgulho? Eu sou mais o meu!

Felícia. 

terça-feira, 15 de maio de 2012

Dos males, o melhor! Eu te digo adeus.

Sabe aquele lance de ”mexeu com ela, mexeu comigo”?
Então, feriu a ela, me fere muito mais.  
E não é mais questão de ferir nesse caso de nós três é de tentar ferir nesse caso de nós, tantos.
E em matéria de ferida, eu teria que estar internada para curar todos os machucados que você fez com a frieza de um nazista.
E quando me vi novamente perdida no tabuleiro de jogos de vida, foram elas, as feridas, que me levaram para o xeque-mate. 
Não se vanglorie por uma mentira sincera. Não há ser humano que durma em paz com tanto sofrimento a sua volta.
Não que eu ainda me sinta derrotada, mas o seu nome hoje é algo que quero distancia. Aquele nome que explica com todo entusiasmo, na verdade, guarda uma outra definição bem escondida.
Posso não ser querida para muitos (pelas verdades de mentira que dizem ao meu respeito), mas faço a alegria de outros muitos.
Não foi você que me levantou, foram elas.
Nunca bata no seu peito para dizer que foi ótimo. O conceito de amizade passa longe do seu vocabulário, por isso você passa por cima de qualquer “coisa” (isso inclui pessoas) para ter o que quer. 
Falso por falso nós dois somos e elas? Sabem fazer isso melhor que você e sua gangue de dois.
Você foi falso por ser sua natureza.
E em matéria de falsidade, não se compare as minhas que te deram sorrisos amarelos por uma amizade. Você dá sorrisos brancos e lindos sem saber o que quer, talvez por praticidade.
Durma em paz ou pelo menos tente. Afinal, a paz de dentro, não dá pra fingir, né?

Íris Prieto.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Entrevistando a amiga!


O bom de ter uma amiga é poder acreditar nela! É poder confiar, que ela estará do seu lado no seu momento mais trash... O bom mesmo é conhecer cada pedacinho dela. A razão dela ser uma das minhas é isso aí:

“Ser feliz é estar com quem se gosta por perto para compartilhar meus momentos. Ter meu dinheiro. Saber rir, ainda mais de mim mesma, do contrário, eu surto.
Meu maior defeito? Ansiedade. A espera pela resposta, a espera por acontecer. Querer ler a mente dos outros para entender-me mais rápido comigo mesma.
Uma história de amor... Eu quero um amor. Alguém que eu goste, que se comprometa com um nós, com o que podemos viver. Não precisa ser uma linda história, só basta ser a minha e que me faça bem, feliz e inteira. Isso já não é lindo?
Se me arrependo? Não tenho esse costume. Me arrependo pela vontade de fazer, de fazer demais.
Me orgulho de tentar ser minha essência a maior parte do tempo, me orgulho da minha forma de lidar com a falsidade, com sorrisinhos farsantes, apesar de alguns momentos seguir o protocolo do bom comportamento social.
Mudaria nos homens as mentiras sem razão. E mudaria em mim, a falta de atitude de conquistar o quero, com receios de orgulhos baratos.
Minhas amigas acham que eu tenho dificuldade em encarar o negativo e sou impaciente, mas também sou amiga para todas as horas e espontânea para lá de muito.
E com isso, a falsidade, a mentira, a falta de comprometimento e salvas exceções, todas  sabem que esse tipo de comportamento desperta meus piores sentimentos.
Então, acabo me definindo com a seguinte e valorizada frase: "Não preciso de certas pessoas, mas das pessoas certas".”

Das minhas!

Penélope Pren.

domingo, 13 de maio de 2012

Amor não correspondido, eu já tive um!

Com quem ele está? Onde? Não interessa com quem, a pior decisão já foi tomada.
Ele não está comigo e sei disso porque não sinto a alegria da perspectiva e a ansiedade de vê-lo. E nunca me senti feliz, realmente. Porque apesar de senti-lo perto ele sempre esteve longe. SEMPRE. E isso nunca mudou.
 E depois que eu o via e ele ia embora, eu ficava. E sempre com as mesmas perguntas ecoando na minha mente às vezes tão caótica.
E ainda hoje, vez ou outra, ainda me bate aquela angustia. E não gosto mais. Não quero mais.
Mas mesmo assim, não sei o que acontece e nem o porquê de não conseguir apagar esse sentimento.
Sentimento que nem eu sei o que é. Nem eu sei denominar. Queria tanto ter a certeza de que isso vai passar e ao mesmo tempo em que não faço ideia do que irá acontecer, tenho um medo terrível de que nunca passe!
Me arrependo amargamente de tê-lo conhecido pra no momento seguinte não me arrepender de nada.
Sei que vai passar, tudo passa. Sei bem. Mas não passa. E se não passar?
Como vou arrumar essa bagunça dentro de peito? Como vou fazer pra seguir meu caminho?
Apesar de nunca ter feito nada pra me merecer, ele me tem! E me tem toda. E segura na palma das mãos a minha felicidade. 
Ele nem sabe, nem suspeita de quantos versos ele me fez cuspir, às vezes chorando e às vezes sorrindo. Uns versos brilhosos e outros negros como a noite. Noites que ele me fez sentir mal e bem. Bem e mal. Noites em que ele me deixou sem notícias, noites em que eu o queria ver, mas não pude. Noites em que eu só queria sentir seu cheiro, mas não sentia.
E a vida segue, segue, segue. E eu sei que vai passar mesmo que não pareça!
Afinal eu não inventei o amor não correspondido. Acontece. Acontece todos os dias. E vai continuar acontecendo com todos nós em determinado momento.

Yasmin Bardini.

Foram-se as borboletas...

Então eu estou aqui, novamente, sem ter o que fazer para que o sono chegue logo e eu pare de pensar em você e em como você partiu, me deixando assim, sem saber como seguir.
Sem saber como seguir um novo rumo para que outro alguém, melhor pra mim, entre em minha vida.
Para que os morcegos que hoje habitam o meu estômago possam dar espaço para novas borboletas, mais bonitas, mais coloridas e mais agitadas do que qualquer outra. Mas enquanto elas não aparecem, deixo os morcegos mais irritados, fingindo que eles nunca estiveram ali, apesar de ouvir nitidamente suas súplicas por comida. Fazendo com que eu me sinta angustiada por não saber até quando vou aguentar deixa-los com fome. E a fome deles só está aumentando, a cada segundo estão mais furiosos e famintos, sedentos por aquele prato bem frio de comida.
O meu maior problema é saber que se alguém vier a passar por essa porta, eu não sou capaz, no momento, de nem ao menos tentar me empolgar com essa chegada. Minhas borboletas morreram, estavam velhas e cansadas, querendo, implorando, para serem carregadas pelo canto das sereias. Eu queria e agradeceria se eu mesma fosse carregada pelo canto de criaturas tão doces. Comparadas a você, elas são maravilhosas. Elas enganam, mas por pouco tempo, conquistam tão rápido quanto você me conquistou, mas dão logo um fim a essa dor de não poder tê-las.
Talvez eu deva mudar de lado na história e virar uma sereia, dessas bem cheias de malícia. E os que me conhecerem só terão uma pessoa para culpar: você.

Duda.

Maria Eduarda é amiga Dellas e escreve com co-participação.

Não sou novela, mas meu ibope está alto!


Quem é que não gosta de receber ibope? Eu, particularmente, adoro!
É muito bom saber que você está trabalhando, evoluindo profissionalmente, adquirindo sua independência financeira e tem gente desocupada "fuxicando" o seu perfil nas mais diversas redes sociais.
É ótimo saber que enquanto você está se divertindo em uma roda de amigos, tem alguém ocioso falando sobre a sua vida.
É excitante saber que quando você está num clima legal com seu namorado, vivendo momentos tórridos, tem uma pessoa desacompanhada pensando em você.
Sejam os interessados declarados ou anônimos o que vale é a intenção.
A sua intenção é me dar ibope. E a minha?! Recebê-lo.
Você perde um tempo enorme se preocupando comigo, querendo saber das minhas novidades, as minhas expectativas, das minhas noites, dos meus dias. Só não se iluda, porque minhas redes sociais não são nenhuma espécie de diário. Escrevo ali, apenas o que eu quero que você saiba.
E não, não me incomodo com o fato de você querer viver a minha vida mais do que eu mesma.
Porque como disse Lispector, "Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito!"
Simples assim.

Felícia.

sábado, 12 de maio de 2012

Valeu, espertão!

Você acha mesmo que eu preciso me dar ao trabalho de descobrir sua senha para saber as merdinhas que você faz?
Para saber suas atitudes tão suas?
Para saber e ter certeza das coisas surreais das quais você é capaz?
E que só convencem e enganam quem quer ser ser enganado?
Você prefere varrer todas as suas sujeiras para debaixo do tapete e depois não mexer no tapete para que essa bagunça não suba, já que batendo nos olhos, te faz chorar.
Já me perdi muitas vezes em mim mesma, mas nunca duas vezes na mesma confusão.
E sempre procurei não ser leviana com os sentimentos alheios.
Então cuide bem da sua borracha porque, lamentavelmente, as suas histórias terão sempre que ser escritas a lápis.
E chega de mimimi, tenho dito.

Penélope Pren e Yasmin Bardini.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

“Para a nooossa alegriiia!”

Não precisamos de muito: basta uma Coca-Cola de dois litros, muito gelo, uma mesa e quatro cadeiras.
Às vezes as cadeiras se transformam em cinco e a Coca-Cola vem acompanhada de um escondidinho de presunto ou uma porção de batata frita ou de frango a passarinho!
É sempre a mesma história e mesmo assim a gente nunca enjoa.
"Porque nós somos fodas! o/"
Uma sai com o cara, mas ligar no dia seguinte? Jamais!
A outra exclui o cara do Facebook, mas continua falando com ele pelo fake.
Tem a que diz que não vai mais ligar e cinco minutos depois está pendurada no telefone.
Tem também aquela que flerta e não dá o número do telefone, mas dá o Facebook!
E ainda tem aquela que namora escondido, mas todo mundo sabe!
E quando a situação fica tensa? "Olha o que eu sei fazer!" pra resolver esse problema!
E se foge do controle, "Piripiripiripipiriripiripiripiripipiriri... Aaau! Aaau!"
Mas, cuidado! Todas temos em casa "uma boneca da Hello Kitty, um CD do Belo e assistimos O Rei Leão!"
Não entendeu? "Ahpáputaquepariu!"

Ellas por Ellas mesmas.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

A minha é a melhor do mundo e aposto que a sua também é.


Ela sempre foi aquela que dizia o "não". Sempre precisei seduzi-la e persuadi-la.
Em nossas casas sempre temos o pai ou a mãe como nosso desafio pessoal. E o meu é ela. O seu pode até não ser.
Mas isso não diminui a importância dela e a base que ela representa!
Todos os meus choros e medos, situações inusitadas e furadas que eu mesma me meti, talvez não tenha podido dividir com ela. Por vergonha, por receio de reprovação e julgamento.
Não interessa a razão. Mas sempre que as janelas e as portas se fecharam e tudo o que eu sentia não coube no peito e transbordou pelos olhos, eu tive pra quem correr! E ela na mesma hora, engoliu as broncas, mesmo que momentaneamente, e me consolou.  Eu sempre terei esse ombro, um dos melhores do mundo! Quem me estressa com as verdades ditas à queima roupa é quem me dá a certeza de que sou alvo de um amor incondicional.
Que delícia, tê-la!  Que vontade de dividir com ela a eternidade! Na morte, eu nem penso! Mas se penso, é um desespero! Daria tudo pra que ela fosse onipresente e onipotente. Tão onipotente que pudesse, inclusive, nunca me deixar!
Às vezes insisto em ser a menina mimada que ela tanto tenta desconstruir. Mas sei que sou a pessoa que eu sou, com esse coração, com esse senso de justiça e esses princípios tão bem desenhados, por causa dela.
Ela é a mulher da minha vida. E podem se passar mil anos, eu ainda vou senti-la do meu lado e o colo mais confortante do mundo ainda será o dela.

Yasmin Bardini.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Será? Eu tô com uma vergonha...

Quem não tem pudores para os sentimentos mais simples da vida? Quem não sente vergonha das próprias atitudes por descasos do destino, por se colocar em situações desastrosas e por que não, vergonhosas? Quem nunca sentiu repulsa de uma atitude própria?
Normalmente ficamos com vergonhas das coisas mais simples, como dizer a alguém “Estou apaixonada por você!”, mas não temos vergonha de estarmos apaixonada por um Zé Ninguém e continuar em um joguinho escroto de paixão, raiva e é claro, vergonha.
Essa vergonha, normalmente, é confundida com orgulho, para ficar mais bonito na hora de expor seus porquês.
"Eu não vou ligar para ele, porque ele furou comigo da última vez!" Porém, se ele ligar, você vai encontrá-lo? Vai ficar com ele? Vai dar pra ele? Vai se arrumar toda pra ele? Então você não tem orgulho, você estava com vergonha de ligar, de atrapalhar, dele não gostar... Um “certo” medo da reação, do contra ataque.
Se você não está em um conto de fadas, cedo ou tarde, vai ter vergonha de estar ali.
Não tenha medo de confessar um erro, uma mentira, um deslize. Você vai acabar se acostumando a cometê-los e depois isso virará uma bola de vergonha, que vai arder demais em você mesma.
Sua reputação está em suas mãos. Não viva de ou com vergonha, viva limpa.
Assuma seus erros, não por ser correta demais, mas para fugir da vergonha da hipocrisia.
Para ter atitude é necessário ter coragem e não ficar escondida atrás de suas "vergoinhas". Vai! Você não é mais neném, encara!
Não tenha vergonha de fazer o que te faz bem, o que é certo e de ser muito feliz!

Penélope Pren.

Ele brincou de amar...


Foi em setembro que reparei em um garoto despojado, que trabalhava comigo, minha curiosidade aflorou. Armei um encontro achando que o surpreenderia, mas para a minha surpresa, ele já sabia de tudo. E foi com a mesma intenção que a minha.
No início foi fogo de palha. E eu gosto de desafios masculinos. Depois me vi apaixonada e entre desculpas e promessas, ele prometeu que eu o teria, então, amei. Amei de novo. Eu, ele e a namorada que ele tinha.
Ele tinha 24 anos, eu o chamava de Dido. Ficamos juntos oito meses e terminamos duas vezes, por causa dela, da namorada.
Dido me rogava declarações, que eu era linda, que ele iria ficar comigo, chegou a dizer que nesse caso de nós três, eu era a protagonista da história. Falava da beleza dos meus cabelos, adorava meu pé. Me chamava de “Mocinha” e depois de "Bem". E um dia, me disse sonhar que casaríamos sem uma grande festa, só com um chá de panela para ganhar muitos presentes e umas cervejas para comemorar.
Não havia um porquê para desconfiar dele, entrei nessa pensando: tudo pode mudar. Eu queria que mudasse. E fui descobrindo que um tanto do que ele me dizia, era mentira.  Descobri pelas verdades que ele me cuspiu pelo whisky e com a ligação da outra chorando e pedindo para voltar (isso foi ele quem disse).
E ele? Foi. E eu? Chorei. E depois? Ele voltou. E eu? Aceitei.
E já não acreditava mais nas frases feitas tão lindas que ele me dizia. Mas eu queria.
Ele me conquistou pela alegria, o bom papo, o carinho. Até nas mentiras tão bem contadas me conquistaram. Apesar dessa alegria toda, acho ele vazio.
O pior defeito dele é, como quase óbvio, a mentira. Ele mente para mim, para ela, e mais ainda, para ele mesmo.
Agora terminamos por ela, mais uma vez, ele me disse que tinha “pendências” a resolver. E me jogou um espontâneo de sinceridade, com a frase: "Eu gosto das duas!"
Chorou, brigou. Gritei, chorei. Transamos.
Nos despedimos com um final de semana louco de pura desconfiança. A namorada? Ficou sabendo da verdade. E ficou querendo que ele me dissesse coisas para por um ponto final. Ele voltou pra mim com a mesma cara lavada com a qual hoje, ele voltará para ela.
É difícil saber o que acho dele, ele é perdido, não sabe o que é decidir, não sabe amar. E ela? Que seja feliz com ele. E ele? Que aprenda com suas mentiras, ou que se afogue, sem outra chance, nelas.

Desabafo de uma personagem.

A-P-A-I-X-O-N-A-D-A.

Eu sempre tive medo de morrer louca. Ou por falta de amor, ou por excesso. Porque eu sou assim, céu e inferno. Não gosto de leite morno, comida sem tempero, sexo papai-e-mamãe, cabelo castanho. Não gosto de coisas mais ou menos.
Eu me jogo, sempre me jogo. E se eu me arrependo depois, eu corro carregando os próprios sapatos, os desesperos e os medos. E os amores que eu inventei de pintar em neon.
Eu sempre tive medo de ser louca. De assustar os outros com esses meus rompantes, com essas minhas tempestades. Minha mãe me diz que eu sou fogos de artifícios de emoções, e eu sou mesmo. Uma peça de Shakespeare ambulante. A própria canceriana sem lar.
Mas hoje em dia, eu tenho medo mesmo é de me assustar com os outros. Com esses calculismos, com esses caminhos do meio, essas mesmices.
Eu ainda quero amar. Ainda quero me jogar em abismos de cheiros, lembranças e vontades repentinas.
Eu quero ME amar. Eu quero me amar como quem me ama por aí, mesmo assim, meio louca, tempestuosa. E quero estar sempre apaixonada. Ou melhor, A-P-A-I-X-O-N-A-D-A. Mas pelo que, ou por quem, será um detalhe, que vai durar o tempo que a minha intemperança deixar.

Raquel Taam.


Raquel Taam tem o blog Se fizer frio..., é amiga Dellas e escreve com co-participação. 

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Eu sei quem é ele, mas nunca o vi.


Eu não conheço o cheiro. Não sei o nome e nem a voz dengosa que ele vai usar na tentativa de me engabelar e seduzir.
Não sei nada sobre ele. Só sei que ele vai vir pra somar, vai me fazer sentir bem, vai me enaltecer e vai me pôr pra cima, mesmo quando eu mesma estiver insistindo em me puxar pra baixo!
Vai gostar e desejar desesperadamente o meu lado safada mas vai conhecer e querer o meu lado mulher, namorada, amiga e companheira. Não vai gostar somente, mas vai fazer questão que os dois lados andem juntos!
Vai ter um membro gostosíssimo, daqueles que causam inveja nos mais bem dotados exemplares da espécie. E vai saber usá-lo tão bem que vai me tirar do eixo!
Na nossa cama e fora dela será um HOMEM com letras maiúsculas.
Terá muitos defeitos, humano ele é.
Mas me fará ficar. E eu vou querer dedicar mil pensamentos ao que vivemos e ao que somos antes de tomar qualquer decisão irrevogável ou jogar tudo pro alto!
Porque eu saberei e sentirei que toda essa cautela, cuidado e "pensar" vão valer a pena!

Yasmin Bardini.

O que é o que é?

Nos faz esquecer quem somos, nos faz ver o mundo sempre belo e perfeito. Nos deixa com um sorriso bobo no rosto e nem sempre é correspondido, pelo menos não na mesma intensidade.
Quem o sente pela primeira vez nunca mais esquece como é, mas nem sempre consegue descrevê-lo.
Cada um sente de uma forma, às vezes mais contido, às vezes querem gritá-lo para o mundo. Pode durar apenas uma noite, pode ser de verão e pode ser para toda vida. Pode ser tudo para uns, nada para outros. Pode transformar duas vidas em uma só e até mesmo gerar outras vidas.
Alguns o encontram, outros o perdem.
Traz consigo carinhos, abraços, beijos e amassos. Deixa corpos suados e corações acelerados.
Quando é real traz felicidade e se acaba transforma a saudade em lágrimas.
Seja como for, sempre vale a pena vivê-lo.

Felícia e Duda.

Duda é amiga Dellas e escreve com co-participação.

sábado, 5 de maio de 2012

Vem cá, ou dá ou desce! Se não for, eu vou.


“Será que ele está me dando mole ou é coisa da minha cabeça?”
Porque vamos combinar, há homens que são tão difíceis de ler... Porra, mais complicados do que eu! E eu, como toda mulher, sou complicada sim!
Você quer. Você se mostra. Se insinua do seu jeito, seja ele, mais descarado ou contido.
E ele por sua vez, dá a entender que quer.
Ele te faz crer na iminência de algum acontecimento, de algo que você também quer.
E ele te faz confiar que você pode ter.
Mas nada ainda aconteceu.
Você quer. Sabe que a pessoa quer. Mas as coisas permanecem na mesma.
O que fazer? A resposta já está aí dentro, juntinho com esse tesão que só está esperando uma brechinha pra explodir e levar com ele tudo o que estiver pela frente.
Qual é a deixa pra deixar claras as intenções e de uma vez por todas saciar a sua vontade?
Ou rever se isso é o que você realmente quer?
Porque eu sinceramente, não tenho paciência pra eternas punhetas! 
Ou é ou não é. E não tem segredo! Não tenho nada contra o flerte, o mistério, a conquista, pelo contrário. Mas tudo em excesso, só leva a dois desfechos:
Ou perde a graça. Ou perde-se a calma. 
Porque se eu quisesse MUITO mistério, eu disse MUITO, além da conta, eu leria um livro de Agatha Christie ou alugaria um DVD do Sherlock Holmes. Né? 

Yasmin Bardini.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Esse amor que eu sinto!


Amor é aquilo que completa a gente. E cada um se completa da maneira que se faz feliz. Amor pode estar na esquina, na escola, no trabalho, na fila do mercado, no amigo ou no amigo do amigo. Uma paixão que te invade as veias e joga adrenalina no teu sangue te faz tremer, coçar, perder a fala, às vezes o ar.
O amor provoca ciúmes, te faz brigar, estranho, mas é o amor. O amor é egoísta. Quer pra si, quer dominar, é possessivo, tá sempre averiguando novos fatos, ou antigos...
Esse amor tão inteiro, que a gente vai vivendo, chorando, sorrindo, tão intenso, tão sempre. Me deixa viver nessa química quente, de estar com você. De querer um pouco mais do que é teu e te dar o que você ainda não tem de mim. Um amor é mais que uma vida. É uma história, são fotografias, diários e muito disse me disse.
Viva um amor! Se entregue... Seja tão mais mulher e encare de frente os desafios do passado mal quisto, dos ciúmes engordativos, mas principalmente do bem estar em ter a palavras "nós" no seu presente, como presente.
Deliciosamente, o amor vem. Segure o nós dois...
É mais que delicioso ter você.


Penélope Pren.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Me malho contigo!


Desde que me conheço por gente me considero uma pessoa regida pela preguiça! Passei a vida inteira fugindo de academia, assim como o Diabo foge da cruz.
Sempre preferi conhecimentos enfileirados em boas conversas numa mesa de bar à bíceps e trapézios bem definidos dando palhinha em night regada a álcool e músicas envolventes estimulando aquele clima de azaração.
Papo clichê? Clichê sim, mas nem por isso menos verdadeiro.
Até que um belo dia (que até aquele fatídico momento era realmente belo) eu fui vestir minha calça 42 como de costume e descobri (com aquela mesma sensação de mulher traída que pega o seu homem na cama com outra) que ela simplesmente se recusava a entrar. FIM DO MUNDO!
No mesmo instante começa a minha saga: "Projeto Verão 2013". Me matriculo na academia na próxima, faço uma avaliação, monto a minha série de exercícios e aquele mundo antes tão recriminado por mim passa a ser o meu novo habitat.
Passo horas e horas ali dentro, tendo a minha volta homens e mulheres cujo o objetivo é ter um corpo esteticamente perfeito, enquanto meu é apenas reatar o meu relacionamento com a minha tão querida calça 42.
Mas já que seremos obrigados a dividir o mesmo espaço, resolvo me socializar. E qual não é a minha surpresa ao me deparar com alguns seres dessa fauna cujo o QI é maior que a quantidade de peso usada nos aparelhos de musculação? É, toda regra tem sua exceção.
Pois é. E essa junção de corpo sarado com mente sagaz pode ser bem interessante, não?
Então continuo na minha luta, porque agora além de reconquistar a minha calça 42, quero conquistar também aquela bermuda xadrez acompanhada por aquela baby look no melhor estilo "Mamãe, tô forte!" e que conhece o suficiente do mundo ao ponto de se tornar atraentemente interessante.


Felícia.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Estou saindo e fechando a porta.

Tô pedindo pra sair.
Tô pedindo pra sair não porque eu não goste de você, pelo contrário, eu enfrentaria o mundo por nós dois.
O problema é que você não!
Então eu vou sair pelo mundo, lutando por um outro “nós dois”, eu e um outro cara, aquele cara, sabe? Que realmente será o cara.
É... Eu me confundi, não é você. Talvez vocês até se pareçam, mas não, não é você. É ele! E ele está me esperando em algum lugar. Por isso eu tenho que correr e encontrá-lo enquanto ainda tenho forças para enfrentar um mundo por um “nós dois”.

Duda.

Duda é amiga Dellas e escreve com co-participação.

Cínico não é descarado. Cuidado, ele diz que te adora!

Quer dizer que você tem coragem de olhar na cara de alguém e mentir descaradamente?
Quer dizer que você olha no olho e diz que gosta demais da pessoa, mas se tiver que mandar para o inferno todas as palavras bonitas e todo o sentimento tão intenso que você diz ter e a prejudicar, você assim o fará?
Você segue à risca o ditado: "Amigos, amigos. Negócios a parte"?
Tenta sempre levar vantagem em cima dos momentos de miséria e poucos neurônios dos outros?
Parabéns, você é um cínico, um dissimulado. Num português mais claro, você é um GRANDISSÍSSIMO FILHO DA PUTA!
Cinismo nem todo mundo entende ou tem noção de quão grave esse defeito é.
Eu diria até que o cinismo é subestimado pelas mentes mais avoadas e descuidadas.
Mas ele te cerca, te ronda e pode estar agora com você sentado em uma mesa de bar, rindo e saudando a vida!
Te esfaqueando pelas costas e sorrindo pra você mostrando o sorriso mais despretencioso do mundo.
E se eu tivesse que apostar, apostaria alto que ele sabe onde você mora e o número do seu telefone!
E de vez em quando até te liga e pergunta: "E aí, como você está? Que saudade de você!"
Então é melhor nos ligarmos, porque tem muito réptil se auto denominando aliado!

Yasmin Bardini.

terça-feira, 1 de maio de 2012

Inveja: ou você morre ou você mata.

A questão é que em qualquer rivalidade entre as pessoas, tem um indivíduo que vai dizer: "É inveja!". A inveja é tão vergonhosa que ninguém é capaz de assumi-la.
E por pior que seja, a inveja é um status, significa que você é visto como melhor em algum ponto na sua vida. Porém o mal de ser invejado, é que os invejosos desejam muito mais o seu fracasso do que o próprio sucesso. Mas acredite, falem que não, que é feio, ou que você é uma ávida leitora de Chico Xavier, todos que são invejados notoriamente, no fundo ou até mesmo no raso, sentem um leve triunfo social.
Há também aqueles, que por alguma carga d'água, acreditam que são super invejados. Bebê, esse é o seu sonho? Isso me espanta! Afinal, se sentir lisonjeado pela miséria da inveja já é um asco, mas querer muito ser invejado é incompetência nata.
E a tal da “inveja branca”, porque todo mundo tem o coração bom e é o contrário da inveja maldosa. Ok, ok...
Normalmente enquanto o invejoso está invejando, o afortunado invejado já está com tanto outros problemas que nem supõe que está sendo vítima da inveja.
A inveja ultrapassa a força do ódio, devastadora quando sentida, ela emagrece da gordura dos outros. Figas, proteção e princípios aos seres!
Mas convenhamos, mais vale ser invejado do que ser digno de pena, dó e lamúrias, não?!

Penélope Pren.