terça-feira, 15 de outubro de 2013

Fala ae! ( Dois beijinhos)

E aí amiga? O que conta de novo, além da falta de tempo e sono constante? E aquele careta, a quantas andam? (Conversa interna – Fala Beto, traz aquela cerveja geladíssima, lá!)
Daquele jeito meio bom demais, meio eufórico. O pior é que agora tá bem mais, sabe? (Gritinho – Dois copos!!!)
Mais? (Tim tim – “Sorte!”)
Eu não tinha intenções de me apaixonar, lembra? Ainda mais... Sei lá. (“Descansam e guardam os celulares!”)
Ele é quase um deliquente! (Risos)
É! Manso... Sacana! Cara, eu fiquei enlouquecida! E olha, fazia é tempo que ninguém assim aparecia! “Mulé” de Deus, fiquei e tô ainda, né, tô dizendo... Bem enlouquecida! Entende, né?! (Dá um cigarro aí...)
Te falei que era furada! Não quis me ouvir... Agora fica aí, esperando o “plim plim” de nova mensagem... (Mais risos – Acende um pra mim também!)
Na boa, não consigo lutar contra isso... É inteeeenso!!! (Risos)
Puta merda! Ele é muito tudo! (Traga... Solta... Traga...)
Tá ficando bom o negócio, hein! (Solta...)
E é! Quase imploro... Me deixa querer você?! (Risos)
Me querer? (Olhar desconfiado e debochado)
Não você! Ele! Quero ele!!! (Risos extravagantes, olhar perdido.)
Só ele... (Sorriso... Traga... Solta... Bebe...)
Minha amiga te quer! (Risos) E quando a realidade bater na sua porta, amiga, sabe que vai ser super, mega chato! (Cara de chateada, bebe um gole. – Beto, outra! – Piscadinha.)
(Plagiando) Quando a realidade chegar, ele já vai ter abusado de mim, do jeitinho que eu quis... Do jeito que eu quero.
Precisamos de algo mais forte! (Beto!!! Traz o cardápio!!!)

Penélope Pren.

Pressa de você

- Vem cá garota, pra onde vai com tanta pressa? 

- Eu estou indo ali viver, viver com pressa. Eu sinto pressa. O tempo passa e sinto cada segundo que se passa, o tempo corre me mastiga, me dá de presente o tédio e me tira também. O tempo passa e não me espera. Por que teria calma? Se eu sinto sede. A minha pressa é pressa de mim, é pressa dele. Sabe aquela tal pressa que nos encontra na cama quando suas mãos passam devagar em minhas pernas, no auge da minha calcinha molhada? Sinto também essa pressa, a pressa do tesão, do gozar. Por que teria calma? Se foi tudo tão depressa, invadindo meus pensamentos, a minha vontade, foi depressa que me apaixonei pelas mensagens trocadas, pelo beijo roubado, pelo sexo, é depressa a vontade de te ver de novo, apesar do medo e do berro dentro de mim me pedindo calma, hoje a garota perdida tem pressa. 

- E você porque ainda mantém a calma?

Íris