domingo, 10 de abril de 2016

Eu sinto

Eu não canso de você e nem da sua armadura, eu não canso das entre linhas e nem dos seus pesadelos, tão pouco do seu ronco, não canso dos ciúmes escondidos e do quarto pago em real. Eu não te desejo com o mesma vontade de antes, mas te desejo com o maior carinho de agora. Eu não te quero e nem quero que suma. Eu quero que vá e que fique, eu quero o beijo no olho e a liberdade berrada e escancarada nas costas que aprendi a virar com você. Eu não quero dominar, mas quero que domine. 
Eu não cansei do beijo, mas cansei da overdose de tapas que só eu vi, ou melhor só eu senti. 
Eu não sei porque, mas eu sempre estou aqui, até hoje eu estou aqui, talvez isso mude por opção nossa, sua ou minha, mesmo esbravejando eu continuo aqui. Mas isso é porque eu sinto... as vezes sinto pouco, mas em sua maioria eu sinto muito.

Íris 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por palpitar no Churumellas.
Empolgue-se e torne-se um Chuchu também! Envie um e-mail para papo.dellas@gmail.com com o seu texto e/ou o tema que você gostaria de ler por aqui.